terça-feira, 28 de dezembro de 2010

EM QUALQUER LUGAR


Continuo por aí....
Perdida nos corredores do tempo,
presa num labirinto de lamentos,
num monólogo doentio....

Sucumbo facilmente ao cansaço
de ver e não ser vista...
Falar e ser tratada como louca....

Adormeço em qualquer lugar...





Foto cedida pelo "O Meu Sofá Amarelo"
Uma salva de palmas ao autor.....

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

PESSOAL DEMAIS

Esta noite,
ficarei na escuridão
para não ver escrito nas paredes
o que sinto realmente.

Ficarei sem palavras,
estarei ausente,
refugiar-me-ei em
sonhos antigos e em Bach.

Não sei bem o que dizer...
quando, aqui, esta noite,
até faltará o calor humano....
E o silêncio se torna pessoal demais...



"Beleza" foto de Américo da Conceição (Olhares)

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

ABSURDAMENTE FELIZ

Poderia ser fácil
desenhar arcos por entre as nuvens
e decorar a lua com laços vermelhos.

Poderia ser fácil
procurar no sussurrar do mar o riso
e dizer que as estrelas são mágicas...

Mas hoje,
dói-me falar nisso...

Dói-me ver as cores
e os desenhos engraçados,
dóí-me ouvir os risos felizes
e não os sentir também....

Poderia ser fácil,
mas dói-me não ser absurdamente feliz
como se fosse a resposta certa....



 Foto gentilmente cedida pelo "O Sofá Amarelo"
Um beijo, Alex...

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

O PORQUÊ DE TUDO

Conheço todos os teus segredos.
Sei o porquê de tudo.

Por isso,
quando não souberes sobre o que escrever,
escreve sobre mim.

Algures entre o Vento e o Mar,
entre a magia do dia e o brilho da noite,
reescreve-te,
reescreve-me...

Sem esconderes as palavras,
mesmo quando tudo parece desmoronar-se....



Foto de Paulo Dias "Intemporal" (Olhares)

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

ERÓTICA

Posso guardar-te em mim,
em memórias da pele.


Tocar-te e sentir-me
arrebatada pelo teu cheiro,
pelo desenho sensual que fazes
das voltas do meu corpo.


Estender-me nua na tua cama,
mesmo na tua ausência,
e sonhar-te....


Eroticamente....


Do albúm de João Mateus, "Poetry" (via Facebook)

sábado, 11 de dezembro de 2010

ABERTA

Deixei o meu poema inacabado...
Que a chuva me distraísse
e me confundisse....

Com o cinzento escuro do dia,
com a tristeza espantada no olhar das gaivotas....

Á espera de uma aberta....

Para voar em direcção ao mar,
em rimas improvisadas
e desejos inflamados.....




"Beleza violenta" , foto de Carlos Pereira (Olhares)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

MISTÉRIO

Só posso ter enlouquecido...

Se falo sobre mistérios
quando eu própria sou um mistério.

Mas quando te encostas ao meu corpo,
entras em mim e eu grito....

Como é que o prazer pode ser um mistério?

Ou eu??
Se me entrego totalmente...
ao prazer de o sentir...



"Untitled" do albúm "Women another vision" de João Mateus (via Facebook)

domingo, 5 de dezembro de 2010

NOTA MUSICAL - FALANDO DE DEBUSSY

Esta noite,
escolhi Debussy
e perdi-me na suavidade da música.

Sinto o meu corpo
longe de si próprio.

Não sei onde estou;
só vejo cores....

Milhares de cores
entrelaçadas,
em cada nota musical...

A minha própria aurora boreal....


Foto de Tuca "Lume Brando" (Olhares)

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

INFINDÁVEL

Esta noite,
procuro o exótico no banal.

As cores quentes na noite fria
e o meu suspiro é a linha
imaginária do horizonte.

Infindável....



Foto do albúm de João Mateus, "Women another vision" (via Facebook)

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

COMO SE

Esta noite,
é o meu sabor quem se atreve
a pôr a nu
os teus segredos mais íntimos.

Namorisco-te
como se te visse
pela primeira vez.

Torno o sabor
ainda mais intenso,
inesquecível.

Cedo à tentação,
liberto o desejo no olhar
e beijo-te........


Foto de Daniel Pedrogam, "Sweet Dreams" (Olhares)

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

SEM DEFINIÇÃO

Sei o que desperto em ti.
Quando as tuas mãos
me acariciam assim.

Deitando-se em mim,
olhando-me,
apaixonando-se por mim.

Com alma.

Abro-me num sorriso,
projecto-me na sombra do teu corpo...

Numa carícia deveras sensual,
sem definição....


Foto de João Mateus, albúm "Women another vision" (via Facebook)

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

TUDO AQUI

Posso ter pensado
que já escrevi tudo.
Que me repito apenas,
e nada mais resta para escrever.

Não,
nem tudo está escrito.
Não,
não me repito...

Se continuo a gostar de ouvir a chuva
numa noite sem lua....
Dos gritos estridentes das gaivotas....
De música clássica ao fim da tarde....

E amar-te como me sentes.
Aqui,
na cumplicidade total dos corpos...



Foto de João Mateus, "Women another vision" (via Facebook)

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

PERFEITO DEMAIS





Fico na companhia da chuva.
Á boca de cena,
esquecida da minha deixa,
a percorrer memórias que
só partilhei contigo.

Não as vou escrever na chuva;
nem as vou declamar perante
um público que me considera
..."doida"....

Por ter deixado que desenhasses
o meu corpo...

Mas eu não sei se o corpo
que traçaste e sombreaste
a lápis é o meu.

É perfeito demais...

Foto de A Obolenski (via Facebook)

sábado, 13 de novembro de 2010

VOZ OFF

Embrulho-me no nevoeiro.
Escapo dos meus próprios segredos.
Sento-me no mistério, que jamais
decifrarei.

A minha voz está "off",
o cabelo húmido,
o corpo inerte.

Sinto frio, muito...
Sinto a falta das tuas mãos.
As tuas mãos sensuais em mim.

Mas estou sem voz para te chamar,
sem coragem para romper a dor
e o frio com que fico
na tua ausência.



Foto de aoao2-d2Zdgtg, "Broken dreams" (DeviantArt)

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

INTRUSA

Estou nos confins do Mundo,
à procura de estrelas cadentes.

Trouxe comigo desejos infantis
e memórias felizes.

A vaidade convence-me de
que tu virás também.

Mas tu não vens
e eu sinto-me tudo,
menos bem-vinda.

Desaparece o riso e o brilho.
Amaldiçoo o tempo...

Não sei se posso voltar atrás,
desculpar-me desse azedume,
ainda visível,
e reaver o meu lugar.

Sinto-me intrusa...
Na minha própria vida...



Foto sem título, de autor desconhecido

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

CONFINS DO MUNDO

Continuo a ser uma heroina esquecida.
Uma pirata sanguinária e orgulhosa.
Mas hoje vivo só,
amarrada à minha própria fantasia.

Fui abandonada, votada
ao desprezo.
Estou suja e rota,

num palco de memórias gloriosas,
de traições e duelos.

Quem sou eu
e onde me perdi?

Tudo me passa ao lado;
nada está claro nesta minha cabeça
e falar?
Já não sei do que falo.

Viajei até aos confins do Mundo.
Invencível, mas agora
tenho medo...



Foto "Bread and Shutter - Masquerade" de autor desconhecido

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

HERÓIS ESQUECIDOS

O corpo, tenso, desobedece-me.
Enrosca-se-me e suspira
palavras que não conheço.

Fica alheio às palavras
sobre o Vento,
sobre as Sereias,
e sobre a agonia dos pobres marinheiros.

Na verdade, o que me apetece fazer
é deambular pelo Vento,
escorregar
pela vela erguida de sabre na mão,
perseguir sem dó nem piedade
quem apenas procura
a fama e a fortuna.

Espanto-me, pois não falo
de uma coisa nem doutra.
Somente pequenas histórias
sobre heróis esquecidos -
sereias, piratas, marinheiros....

Mais do que isso,
as palavras enrolam-se,
porque o meu corpo não deixa.

CONTINUA


Foto de Graça Loureiro "Sing me a lullaby" (Olhares)

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

AJUIZADA

Não me sinto nada ajuizada,
esta noite.

Sinto-me leve,
transparente.

Como se voasse
e seguisse os teus passos.

Lesse os teus pensamentos
e estivesse lá,
nesse teu jardim secreto,
quando chegasses.


Foto "Women Another Vision" (Via João Mateus - Facebook)

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

SCHUBERT

Há palavras que não são meras palavras.
São simples, mas majestosas;
elegantes, mas nunca frias.

São um grito,
um desejo,
um milagre
numa carta antiga,
guardada religiosamente.

Estar sozinha e escolher Schubert
como música de fundo.

Pensar e não pensar em ti,
confessar-to ou não,
deixo que seja Schubert
a dizer-to.



Foto de Iuri Capretz "Caminho de uma vida" (Olhares)

domingo, 24 de outubro de 2010

TÍMIDA

Hoje estou tímida
e ando à procura de palavras.

Palavras que te digam
como me apoderei
do teu desejo secreto.

Como tudo, afinal,
se resume à palavra
"quero-te".

Quero sentir o teu corpo
a dizer-me isso.

Sem palavras.


Foto de Nina Eframova (via Facebook)

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

TURBULÊNCIA

Esta noite,
fiquei confusa com regras,
que não são regras,
com pecados que existem
apenas na turbulência do tempo.

Nem sei porque penso nisso
quando já é noite
e os fantasmas do passado
há muito que desapareceram.

Está uma noite de temporal.
Chuva forte, relâmpagos,
vento.

Uma noite que poderia ser mágica,
cheia de fantasia.
Se estivesses cá
e eu não tivesse aberto a porta
a essa turbulência dorida.



Foto de Carlos Resende "Lost" (Olhares)

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

BONITA

Escrevo-te e descrevo-te
num poema de amor
que não consigo terminar.

São pequenos detalhes,
como sorrisos e olhares,
que fazem com que eu
deixe de escrever,
divague,
vagueie por aí.

Aparentemente sem rumo,
calada,
pensativa.

Sinto-me apenas bonita.



Foto de Graça Loureiro "Prelimpimpim" (Olhares)

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

LONGA

Atrevo
a espreguiçar-me no teu corpo,
deixando que me desnudes
com os teus beijos.

Esqueço o mundo,
quando me repetes
no teu olhar.

E a noite torna-se longa
quando gozas o teu prazer no meu.


Foto de benheine "Dancing with a veil" (DevianTArt)

terça-feira, 12 de outubro de 2010

GOSTAR DE AMAR

Ai, amor,
tinha tanto a dizer-te
esta noite.

Mas as palavras libertam-se,
loucas,
em gemidos de prazer.

A voz está rouca.
As mãos ansiosas.

Gosto de te amar, amor.

De te oferecer os meus lábios,
para um beijo,
abrir-te a boca,
para que o tornes
profundo.

Depois,
para quê pensar
no banal "depois"?


Foto de Vanessa Luckie (via João Mateus - Facebook)


domingo, 10 de outubro de 2010

EGOÍSMO

Não sei se exageramos, amor
ao sermos egoístas por um minuto.
Por falarmos de amor abertamente,
e do prazer em nos darmos um
ao outro.
E, quando nos olhamos,
quando a mão acaricia
todos esses recantos já
explorados,
não há exageros nem egoísmo
na forma completa
de nos vivermos.


Foto de Graça Loureiro (Olhares), "Dreams"

terça-feira, 5 de outubro de 2010

DIÁRIO

Dia I

Falemos de tudo e de nada.
Rir, gritar alto, porque não?
Para quê ser discreto se puder
gritar com o Vento?
Apagar a troça da tua voz?
Surpreender a incredulidade no teu olhar?
Dia II

Sei que, às vezes,
te escrevo como se escrevesse num diário.
Planos, memórias, pensamentos.
Um dia completo da minha vida,
em que posso olhar o céu e encontrar
o contorno do teu corpo numa nuvem.
Depois, esta esfiapa-se,
dissolve-se,
e eu recorto-te na imagem perfeita
que fundeou na minha mente






Foto de Graça Loureiro "HuMa(N)aTuRe" (olhares)

sábado, 2 de outubro de 2010

PORQUÊ

Se eu deixar de escrever sobre o Vento,
não enaltecer as suas virtudes e os seus defeitos,
não lhe chamar o meu amante favorito,
não me perguntes porquê.
É como o beijo.
O beijo não tem "porquês".


Foto de Johnny "O Som das Brumas" (Olhares)

Falar do Vento é falar do meu companheiro
de sempre.
Dos meus humores, dos meus medos.
Nunca lhe contei, porém,
como as minhas cores deixaram de
ser discretas.



Foto de Paulo Jorge Conceição Teixeira "As cores da manhã" (Olhares)

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

ESTRANHO

Estranho nunca ter escrito sobre
o que é estranho.
Amar-te como te amo,
e nunca pensar que tal aconteceria.
Sonhar, sim,
desejar, também.
Mas sentir toda esta sofreguidão,
todo este descobrir do que a
minha alma insinua ao meu corpo...
É estranho...


Foto de Manuel Madeira "Naufraga" (Olhares)

domingo, 26 de setembro de 2010

QUERER MAIS

Sonho demais e talvez não devesse
confiar tanto no tempo.
Em que te amo loucamente, em que
me sinto confusa por ser finalmente eu.
Mesmo assim, não me convenço de que
te amo como sempre desejei
e sinto em ti a resposta que sempre sonhei.
Não me atrevo a querer mais.


Foto enviada por João Mateus, "Women another vision" (via Facebook)

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

PRESA

Gosto de me sentir presa no teu abraço,
de te sentir bem meu.
Com a minha boca entreaberta,
a deliciar-se uma vez mais com
o cheiro da tua pele.
Adormeço, embrulhada em prazer.
Acordo, os meus sonhos e os meus desejos
descobertos


Foto de Alexander Kharlomov "Lips" (Olhares)

Há muito que não danço comigo.
Afasto-me dos meus próprios segredos.
Desconverso, sorrio.
Lamento o meu próprio silêncio, mas
não o interrompo.


Foto de Manuel Madeira "Bom dia....Alegria" (Olhares)

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

SEM LIGAÇÃO

Há poemas de amor em que os
sentidos mergulham por completo
e se fundem num novo poema.
Por vezes, passo-o ao papel;
outras, fica escondido nos beijos
descarados com que te sonho.
Na nudez com que te brindo,
nessa sensualidade que brota de mim.



Não, não digas nada.
Não faças barulho;
páras se ouvires
os passos de alguém.
Ninguém pode saber
que te estou a raptar.
Que enlouqueci subitamente
com o desejo
de te ter em mim
e tenho que estar longe
de tudo.
Levo-te, aos tropeções,
pelo caminho da praia.




1ª Foto de Mcpial "À flor da pele"
2ª Foto de Jorge Nelson Silva "Segundos a Cores"
Ambas do Site "Olhares"

terça-feira, 14 de setembro de 2010

NAS PORTAS DA MINHA ALMA

É nas portas da minha alma
que te encontro.
É aí que perco o Norte
do meu desejo e discurso
no teu suor.
Com a minha perna a procurar a tua,
a tua mão na minha nuca,
os meus olhos ocultos no teu olhar.
Não sei nada,
sinto tudo.


De Karina Andrea Battagliero (via Facebook através de João Mateus)

domingo, 12 de setembro de 2010

INSPIRAÇÃO

Continuo exilada em mim,
sem saber se me guardas em mim.
Deslizo a mão por onde passas
em noites em que te provoco;
noutras, só te inspiro.
E, nesses noites, em que relembro
o teu corpo e o teu beijo,
nego-me ao sono e reedito-te
na minha pele.



Foto de Zemotion "Obsession" (DevianTArt)

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

DESCONFIADA

Hoje não me sinto erótica.
Disfarço-me na sombra
e deixo que o Vento
me varra do teu caminho.
Hoje, o Mundo só me contraria
e arrasto os pés,
solitária, desconfiada.
Hoje, estou incapaz de te sorrir,
de te seguir,
mas quero amar-te.





Foto de Mcpial `"À flor da pele" (Olhares)

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

GRITO DE PRAZER

Vestes-me na sombra do teu sonho.
Conquistas-me na cor do teu desejo
e amas-me no momento em que
o Sol e a Lua disputam a primazia
da Luz.
Não tenho medo da sombra, mas
gosto de sentir a cor a ressoar
na minha pele quando derrapas
em mim e te identificas com o
meu grito de prazer.



Foto de Mcpial "À Flor da pele" (Olhares)

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

ANÓNIMO

Quando entrar  no teu castelo,
estarei descalça.
Gosto de deixar pegadas,
de ver como as ondas as conquistam,
e saber que, algures,
se cruzam com outras,
de alguém tão anónimo como eu.

Não me importo de o ser
e ser apenas um rosto.
Mas gosto
que se lembrem do meu nome.


Foto de Mcpial "À Flor da pele" (Olhares)

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

SEM SONHOS

Posso ter deixado de sonhar, mas
ainda vagueio pelos teus.
Posso encontrar o caminho de volta,
mas não sei porque volto.
Hoje, estou distraída e não escuto ninguém,
embora veja o teu reflexo no espelho e
sinta o teu cheiro a misturar-se com o meu.

Foto de Alexander Kharlmov "Feeling the light" (Olhares)

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Á DERIVA

Adormeci no calor da noite,
Refresquei-me no desejo do teu corpo.
Deixei as minhas mãos loucas à deriva.
Estou eu própria um pouco à deriva,
nesta noite quente, sem brisa.
Indecisa entre oferecer-te
todo o meu mimo
ou apenas
reclamar o teu.

(Poema colocado no Facebook)




Foto de Vanessa Luckie (via João Mateus - Facebook)
Título "Laberintos en mi mente"

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

PAZ

Neste momento estou só na noite.
Em paz, a flutuar em sonhos
e um leve sorriso nos lábios.
Talvez deseje que o nevoeiro desça
e embale o meu corpo que está nu.
Está a noite abafada, o silêncio também.
Mas eu não.
(Poema colocado no Facebook)
Esta noite, esquece-te em mim.
Tatua-te na minha pele.
Mima-a, toca-a.
Liberta-a, torna-te nela.
Depois, beija-me nos lábios.
Foto de Pascal Renoux "Undefined"

domingo, 15 de agosto de 2010

AVELUDADO



Pedi-te
que me escrevesses uma carta de amor.
De palavras aveludadas e com beijos
escaldantes.
Como a areia onde me sento
e a leio.
Porque hoje recebi
um convite irrecusável do mar,
para que viesse
e lhe contasse as histórias do costume.

Mas que histórias são essas?
Se tudo o que sei são poemas,
que só tu sabes interpretar,
porque os escrevo
no aveludado
da tua pele?

Foto de Zemotion "Holly" (DeviantArt)
Já colocado no FACEBOOK

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

DUELO



Qualquer palavra pode ser censurada,

torturada e depois, libertada.

Pode encher-se de revolta,

amargura ou tristeza.

Ou tornar-se tolerante, calmante

ou mesmo amante de ti.

Num duelo, num desafio

de emoções, de vontades,

em que ninguém ganha,

em que ninguém perde.

Fica, apenas, gravado.


Foto de Bruno Silva "Eternal" (Olhares)

Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou proibidas

Texto já colocado no FACEBOOK -

continuação do jogo póetico do post anterior

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

LUFADA



Qualquer palavra
pode ser escrita a negrito,
em itálico.
Ficar ao centro, à esquerda,
ou à direita.
Tamanho gigante, médio
ou tão pequeno
que se torna difícil lê-la.
O interessante é o impacto
que causa, obrigando a
uma 2ª leitura.
É o embater na mente
e sacudir o pensamento,
desleixando o aspecto estético,
concentrando-se apenas no que transmite.
Em mim?
Uma lufada de ar fresco.


Foto de Rui Margato (Olhares)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou parciais proibidas
Texto já colocado no FACEBOOK - Um novo jogo poético

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

A SI PRÓPRIO


Não vamos falar de memórias,
desejos,
paixão.

Vamos deixar que tudo nasça,
livre, aberto a si próprio,
ao Mundo.

Sem medo de cairmos nas profundezas do mar
e abraçarmos essa sensualidade escondida.

Mesmo que não se tenha palavras para a expressar.
Mas que se viva, sem a mascarar.


Foto de Daniel Pedrogam,
"Escondo-me do que possa vir a sentir" (Olhares)
Texto já colocado no FACEBOOK
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou parciais proibidas

domingo, 1 de agosto de 2010

CONSOLO



Em dias como este, ando à procura do Sol.

Ando à procura de ti.

De mensagens,

de palavras,

de tudo aquilo

que parece ser indecifrável.

Ás vezes, tudo o que posso fazer

é escrever,

para encontrar a linha do horizonte

e esquecer essas horas nuas, doridas

em que chorei sozinha.

Em que me deixaste sozinha.

Sem uma única palavra de consolo.






Nota: Este poema e o anterior fazem parte de um novo jogo poético

- com a mesma frase de abertura

Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou parciais, proibidas

Foto de Pascal Renoux, "Sand and shells for Céline"






terça-feira, 27 de julho de 2010

MELANCÓLICA




Em dias como este,
o tempo fica estagnado, estrangulado,
suspenso, à espreita.
Dele próprio, de mim...não sei.
Não gosto de dias assim, porque
fico melancólica e incapaz de pensar,
de ver o lado cómico da vida,
de rir alto.
Eu que até gosto de rir alto,
de rir até às lágrimas.
Sinto-me mais livre,
mais leve,
irresponsável mesmo.
Mas há memórias,
há vozes do passado
que não esqueço,
em que a meu riso feliz
se volta a fechar.
Tudo desaparece
e eu própria,
me sinto desaparecida.




Texto já colocado no Facebook e Porosidade Etérea
Texto protegido pelo IGAC - Cópias, totais e/ou parciais, proibidas
Foto de Pascal Renoux, "Elisa" (regards)






sábado, 24 de julho de 2010

INESPERADO


O que há de diferente nas palavras
à noite?
O que há de diferente no sentir
do meu beijo na brisa da noite?

A tua presença e o meu desejo.
O que pensas ter adivinhado
e o que é real.
Porque isto é real,
tão real como escutar o deslizar
do meu corpo nesse refúgio
inesperado que é o mar.
Foto de André Domingos, "Um subtil toque" (Olhares)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou parciais proibidas