terça-feira, 30 de junho de 2009

SURREALISTA



Surrealista?
O meu poema???
Não sei…
Nem tenho a certeza, se sei o que é…

Se é surrealista falar do meu corpo quente,
da sede de paixão que invade a minha boca.
Da tua vontade que se sacia.
As tuas mãos que se enriquecem com o prazer.

Ou do meu prazer,
ao juntar-me ao teu e,

deixar o sabor exótico do meu beijo,
a pairar em ti………




(Foto "Underwater flower" Graça Loureiro, Olhares.Com)
(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)

sábado, 27 de junho de 2009

SEI LÁ

















Repito-me, eu sei

Nesse silêncio que te difama,


pois quer que eu te ignore.


Como te posso ignorar,


se és a raiz, a minha raiz?


Não sei o que o silêncio quer agora.


Parece que me persegue...


Perturba-me,


deixa-me num beco sem saída....


Nunca gostei de dizer não.


Mas já recebi tantos nãos,


tão agressivos, tão ofensivos,


que pensei.....


Disparates, sei lá....


Continuo por aí


Por vezes, sozinha...


Outras,


sou eu quem perturba


A ordem das coisas....


(Foto "Languidez" Alba Luna, Reflexos)
(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)



terça-feira, 23 de junho de 2009

DECIFRA-ME










Continuo a gostar de escrever na noite,

ficar com essas memórias de prata dourada.

Numa viagem perdida,

ao tentar localizar,

nas cartas astrais, nas constelações,

o meu signo e decifrar-me.

Acabo por perder o rumo.

Abro aos sentidos à banalidade da noite.

Ou ao seu erotismo.

Repinto-me nessas ilusões mágicas

que a noite trás.

Decifro-me, enfim,

e completo-te...




(Foto "the magic is inside you" Daniel Pedrogam, Olhares.Com)
(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)

domingo, 21 de junho de 2009

SURPREENDE-ME




Surpreende-me
Surpreendo-te


Eu,
Nua, deitada
Naquela posição,
deveras banal

Mas, num instante,
ela lança-te um feitiço
Abraça-te,
acolhe-te,
reclama-te.
Quem desafia quem agora?

Quem se afoga na primeira onda
que embate no penhasco?
Perfumas a minha pele com o teu riso
Eu derramo o meu em ti…


(Foto "31" Ana Meireles, Olhares.Com)
(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)
(Texto já colocado no WORLD ART FRIENDS)

quinta-feira, 18 de junho de 2009

LIBERTINA PAIXÃO



Atravesso o passadiço

e vejo-me na praia,
na praia, que acorda só em mim.

Dunas, canas, areia fina e limpa,


mar azul,

tão azul,

tão verdadeiro...

Sempre que me sento na posição de Buda,
a mão esquerda sob a direita,

os polegares unidos,

os olhos fechados,

mantenho a respiração suave.

Fico surda aos segredos do mundo lá fora.


Ào ciclo da vida.


Porque aqui,


neste castelo de palavras,


bêbadas de amor,


nada terminará.


Não deixo.....


Ainda me olha de frente,


ainda me chama,


esse amor,


numa libertina paixão….


(Foto "Eu faço o Mundo" Silvia Margarida, Reflexos)

(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)
(Texto colocado no WAF, mas reescrito totalmente para o blog)

segunda-feira, 15 de junho de 2009

COMO GOSTO









Acordei como gosto
Com o Sol a jorrar por entre as frinchas da persiana

Acordei com a sensação de que tudo faria sentido.
Neste momento, pergunto-me o que tem sentido.

Onde está a magia do Sol?
Onde está a minha própria magia?
Perguntas irrelevantes para os outros.
Eu não consigo ignorar..

Posso ter a brisa como confidente
O Sol como conselheiro
O Vento como amante

Posso escalar a montanha
Chegar até ao cume
Mas nunca encontrar a magia
Que encontro em ti..........




(Foto "Olhares" Graça Loureiro, Olhares.Com)
(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)
(Texto já colocado no World Art Friends)

terça-feira, 9 de junho de 2009

INVISIVEL, MAS PRESENTE















Falar do prazer?
Desse prazer invisível,
mas tão presente.

Deixar que rime,
em quem não sabia que existia.
Ou como se sentia.

Agora,
vive em cada um
dos poros da minha pele.

E,
torna-se visível………




(Foto "What Am I to you" Graça Loureiro, Olhares)
(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)

quinta-feira, 4 de junho de 2009

MÚSICAS - PARTE II










Saberás tu quem eu sou?
O que estou a sentir?
O que escrevo e porquê?



Nas músicas que escuto no silêncio da noite,
para esquecer como se pode tornar pesado,
de um dia para o outro



Contigo,
há sempre qualquer coisa inesperada.
Faz com que eu ria como uma criança,
até às lágrimas..


Depois,
não sei bem se continuo a seduzir,
se estou a ser seduzida,
ou me deixo seduzir…


(Foto "Podia Ser Como no Cinema" Graça Loureiro, Olhares.Com)
(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)