domingo, 29 de novembro de 2015

MOMENTOS



Hoje... acordei feliz...

Não sei porquê... E sinceramente não quero saber...

Quero apenas desfrutar destes momentos em que me sinto leve...

Sem mágoas... Sem ressentimentos... Sem desilusões...

Amanhã, o Mundo vai girar e contrariar todas as palavras que eu disser...

Mas, o hoje é só meu...




terça-feira, 24 de novembro de 2015

SORRISO



Esta é a história de um dia frio de Novembro...

De mãos geladas e vermelhas... Da procura frenética de luvas esquecidas algures...

De um autocarro que se atrasa e de exclamações frustradas porque tudo acaba de mudar...

E seria o dia diferente se o autocarro tivesse cumprido o horário?...

Não sei... Porque o importante é o agora... 

Este momento em que sinto o corpo descontrair-se... As mãos a falarem...

E o sorriso... escreve-se aqui...

Nas palavras que me dita....



domingo, 22 de novembro de 2015

A VERDADE



Dizem...
Dizem o quê de mim? Sabem lá o que é a verdade se persistem em a distorcer?
Porque é fácil apontar o dedo aos outros para camuflar as suas mentiras, os seus erros...
Talvez tenha realmente uma visão romântica do Mundo e da Vida.  
Talvez seja uma cabeça oca e o meu pecado seja deixar que me convençam que o sou... 
Mas que mal há em olhar as ondas do mar e sonhar que as domino? 
Ou que sou uma cor do arco-íris?
Muito melhor do que criticar os outros sem saber qual é a verdade...


quinta-feira, 19 de novembro de 2015

ÁGUIA



Bach...

Se me sentar na posição de Buda com as mãos pousadas no colo e fechar os olhos....

Desenlaço-me do corpo físico e posso voar...

Como uma águia...


segunda-feira, 16 de novembro de 2015

NADA




Dezembro... Natal... E eu?

O que posso dizer, fazer para encontrar no Natal a alegria de outrora?

Será porque o silêncio se torna pessoal demais e a alegria dos outros ofende-me?

Será crime confessar que estou em paz quando ouço Bach e choro com um cântico de Natal?

Porque é que não é Natal se me sentar com um livro no colo e viver intensamente a aventura que descreve?

Não sei... Falo com as minhas irmãs todos os dias... 

E não preciso de mais nada...




sexta-feira, 13 de novembro de 2015

ETERNAMENTE



Esta noite...

As palavras tropeçam umas nas outras; contam-me histórias inacreditáveis...

Sugerem a frase de abertura... 

Esperam pela luz, pelo brilho que reduzirá a noite a cinzas e as deixará viver eternamente...

Mas eu não consigo...

Estou cansada e triste... 

E quando grito para o ar " Perdoem-me "... as palavras ficam também em silêncio...




terça-feira, 10 de novembro de 2015

HORA MÁGICA



Esta é uma história que não quero acabar...

Porque tudo o que se escreve sobre o mar é mágico...

São memórias.... 

Sonhos... 

Paixões... 

Desejos...

São histórias que só as ondas sussurram quando se anuncia a noite...

Esta é a minha hora mágica... A minha história com o mar...

Num dia que quero esquecer... Numa noite que não vou ignorar...




domingo, 8 de novembro de 2015

A PIOR PESSOA DO MUNDO



Falhar... é humano...

O importante é o que se aprende e a forma como se avança depois... 

Porque temos que avançar...

O pior é quando não deixam e usam essa falha para nos humilhar, chantagear...

De repente, somos a pior pessoa do Mundo...

Mas a pior pessoa do Mundo é quem não respeita quem falha, quem não ajuda, quem ignora o grito mudo do olhar...

Sei que devia olhar para cima, seguir a viagem deste Sol de Novembro e sentir-me feliz...

Porque o pouco que tenho é meu... Verdadeiramente...

Mas sinto-me a pior pessoa do Mundo...

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

ELEGÂNCIA




… Que se fala da elegância…

A elegância das palavras quando definem o enredo da história…

Porque devem ser utilizadas com respeito… Com suavidade, mesmo quando contém dor…

É esse o destino das palavras… Amarem e deixarem que alguém as ame…

Todos os dias… Em todos os momentos de lágrimas e de alegria…

Ninguém merece, nem mesmo as palavras, receber a agressividade dos outros….



segunda-feira, 2 de novembro de 2015

FANTASMAS E DEMÔNIOS





Curioso ver como a vida nos modifica…
O que ontem era uma ofensa mortal, hoje ignora-se… 
Os outros estão tão cientes da sua verdade que se torna complicado explicar a nossa…
Às vezes, arrependo-me… 
Outras, até me congratulo por não ter cedido e comprometido os meus valores…
Há dias em que me torno a minha pior inimiga… Desisto de tudo, de todos, de mim…
E não consigo escutar ninguém… Lembro do quanto a minha Mãe me criticava por isso…
Mas sou eu quem tem que lutar com os meus fantasmas, com os meus demônios…
Hoje é um desses dias… 
Hoje, porque amanhã já terei vencido esses fantasmas, esses demônios...