domingo, 31 de dezembro de 2006

SEMPRE COM O AZUL


Deixo novamente a mente sobrevoar a cidade……..

Como uma gaivota………………..

Voo novamente em círculos……………..

À esquerda, a Sé Catedral…………
Em frente, a Torre dos Clérigos……………….
À direita, a Igreja dos Congregados,
onde tantas vezes entrei para rezar a Santo António……………..

Mas não hoje……………..
O último dia do ano………………
Cá fora, ao vento,
quero estar….

Azul será a cor com que 2007 pintarei………………

Continuarei a sentir o vento,
a tentar novas rimas,
a vaguear pelas ruas e ruelas………..

Com risos ou lágrimas…………
Mas sempre com o azul.................

Feliz Ano para todos……………………………………………….

sábado, 30 de dezembro de 2006

CHUVA NA INVICTA

Chuva………………..

A saudar a Invicta……………

A relembrar-lhe como facilmente a pode conquistar……….

Fazer com que o rio,
as margens,
numa batalha desigual derrote…….

Com lágrimas de raiva e impotência
e futuros imprevisíveis….

Naquele momento………..
Naquele dia…………..
Naquela hora, naquele segundo……………

Porque tudo se recomeça…………
Novamente, a partir do nada……………….

E, eu?
Apesar da chuva, continuo a vislumbrar o azul……………

quinta-feira, 28 de dezembro de 2006

ENCONTRO

Eis a Invicta………………
Majestosa…
Ao lusco-fusco…
No jogo de sombras da madrugada………..

Poderosa, sempre……
Sente como respira….
Mesmo quando o sol não brilha e a chuva é miudinha……….

Eis a Invicta………..
Onde vivo,
onde amo
e com quem,
o meu primeiro riso da manhã troco
e onde as minhas lágrimas, por vezes escondo…………………….

Encontra-me…
Da Invicta eu não fujo……………..

terça-feira, 26 de dezembro de 2006

IMPRESSÃO

Fria e cinzenta….

A tua primeira impressão será…………….

Mas deixa que eu o teu guia na Invicta seja…………..

Perde-te comigo nas suas ruas e ruelas……..

Deixa que a Menina Nua da Praça contigo fale…………

Vá lá, esquece o frio…………

Segue-me………….

Com o sorriso…………

Com a voz…

Com o calor humano em que a cidade te envolverá…………..

Com o meu calor,
expresso no abraço com que te vou saudar……………….

Com a beleza escondida da Invicta,
que em breve,
de ti fará parte…………….

segunda-feira, 25 de dezembro de 2006

PERTO DA LUA

Dia de Natal…………..

Frio está e as mãos quentes não estão…….

Estou sozinha; o silêncio é bem-vindo…………….

Não me lembro de cânticos de Natal;

a única melodia que vagueia na minha mente é a “Luna” de Alessandro Safina…

Uma voz mágica (o título do CD) a entoar as palavras mágicas de uma canção clássica
que me faz pensar
numa dança delicada e deliciosa num trapézio…………………….

Porquê?

Não sei…
Voa-se perto da lua,
deixa-se que a lua embeleze os rostos, os corpos e os gestos…

Em equilíbrio….

Como na vida……………

domingo, 24 de dezembro de 2006

MINHA HISTÓRIA DE NATAL

Resposta ao desafio do Pierrot (www.heartpierrot.blogspot.com)

Este ano, em tons de azul e prateado a árvore decidiram decorar …

Quando as luzes pela primeira vez acenderam, a sala de “Ahs” e “Ohs”encheram”….

Eu não gostei,

bem alto a minha cauda ergui

e refúgio no parapeito da minha janela favorita procurei…..

Aquela que,
para o Central Park dá….

Pois é, na “Big Apple” vivo…

Na cidade que todos idolatram e dizem que “never sleeps”…………..
Mas eu adoro dormir ao sol……………

Que por entre a janela entreaberta visita a sala…………..

E a minha "fur" penteia…………….

Sou um gato feliz………….

Como caviar e leite-creme e,

tal como a canção,

adoro “be part of it”

New York, New York, New York....

Festas felizes para todos que aqui passam

sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

NA ETERNIDADE

Ah, as confidências que à lua eu faço.......

Enquanto por ti espero........


Será que a minha alma ouves?

Será que Zeus te aprisionou no Olímpio

e duras tarefas terás que executar até comigo te reunires?

Mas eu,
................Hércules não quero....


É a ti..............

Ouve a minha alma...........

Aqui, ao abrigo da lua.........

Aqui, na eternidade...............
P.S.: Luna, cantada por Alessandro Safina e dedicado a alguém com o mesmo nome

quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

NAS NUVENS

Desfaço a posição......

Relutante...........

Espreguiço-me.........

Rebolo, alongo o corpo......

E, a sentar-me volto.......

Tipo Buda...........

Só então.......

Abro os olhos e
deixo o olhar vaguear pelo quarto........

Ao princípio, nada vejo.......

Depois, fixo-o em ti..........

No teu olhar cheio de "mischief"............

Tentas imitar-me,

não consegues,

e uma gargalhada clara, cheia de prazer irrompe no quarto..........

Depois??

..........um grande passeio pelas nuvens................


segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

ATÉ OS OLHOS

No quadro,
o olhar fixo............
Primeiro na assinatura........
Depois, deixo que siga os contornos da ponte.................
Ao lusco-fusco.....
Num convite à magia,
ao sonho,
ao romance...............

Sinto as pálpebras a descerem, e
nenhum esforço faço
para que,
o olhar não me ocultem................
Nenhum músculo mexe...............

Dir-se-ia que,
em estátuta me transformei.............
Apenas repouso......
Até os olhos......................

domingo, 17 de dezembro de 2006

AZUL E CASTANHO

Do castanho, não me posso esconder…………..
Apenas o misturo com o azul……….

O azul dos meus jeans……………

Que não vês,
porque são os meus olhos que queres e procuras………

Definir o meu olhar???

Apenas que….
Anseia pelo teu…………….

Deixa que te desafie……….

Deixa-te guiar
pelo que de mim sabes e sentes,
encontra-me.....
Olha-me de frente……….

No meio desta multidão, que doida,
desce e sobe num frenesim Santa Catarina…………
Nunca de mim o olhar desvies..................

Uma dica?
Herdei o castanho,
o mesmo de quem a vida me deu………………

sábado, 16 de dezembro de 2006

ARDOR

É em azul que te escrevo...........

O meu mantra....

Zeloso já do meu bem-estar.....

Da tranquilidade que, ontem por minutos da minha alma se evaporou.......

Caiu a meus pés, sobressaltou-me e,

logo aquela lágrima, pequenina, mas rebelde, amaldiçoou o olhar.......

O nariz fungou

e convencer-me de que apenas de uma ligeira constipação se tratava, tentei......

Conhece-me bem aquela lágrima teimosa.......

que, iludindo os dedos,
que sacudir a queriam,
se escapou, deixando para trás,
nos olhos e na pele irritada pelo vento gelado,
uma forte sensação de ardor.............

quinta-feira, 14 de dezembro de 2006

NUNCA

Em concha.........

As mãos....


Seguram a chávena de leite quente

que o café tinge levemente..............

Trinco primeiro a torrada,

mas enquanto a mastigo,

novamente a mão procura o aconchego

dado pela chávena de leite quente...........

Saudades tenho tuas............

Das tuas mãos....
De como,
as minhas,
importantes,
fazem sentir ........

Pequenas,
de unhas cortadas rente
e sem verniz.......

Com que prazer
se fundem com a tua pele.....
Reconhecem
e sonham com o teu cheiro...

E, como avidamente,

no teu abraço mergulham e,


de lá,

sair

nunca procuram........

quarta-feira, 13 de dezembro de 2006

AS MÃOS

Repousam.....

Sobre o abdómen....

Tranquilas, moles....

As mãos.......

Por vezes, com os dedos entrelaçados....

Outras, com as palmas bem unidas em prece..........

Ou ligeiramente afastadas,

O umbigo a fronteira,

o remoinho,

a linha imaginária
que o indicador traça..........

Levemente...........

Sem histórias,

Sem quaisquer pensamentos...

Apenas o toque da pele na pele........

Ociosas,

Quietas,

Relaxadas........

Sempre para a lua,

diluindo-se na sua vastidão,

as mãos apontam.............

terça-feira, 12 de dezembro de 2006

LONGA CARÍCIA


Geladas...

Estamos....

Mexer os dedos...
Inchados e vermelhos..............

quase não podemos.............


Desorientadas nos sentimos.............


Ansiosas.......


Limitadas pela dor,

até de saudar o dia nos esquecemos.........


Não sorrimos, não falamos,
apenas visíveis nos queremos tornar....
Voltar a fazer parte do corpo,
que se dispersa, ele próprio
neste universo gelado.....

Lenta, dolorosamente,
o sangue espalha-se.........
numa dança circular.......
Fluído, contorce-se, jorra........
Até ao nosso encontro.............

Sempre a dançar, devolvendo a alegria de,

finalmente as mãos
se erguerem e tocarem o rosto.........

Numa longa carícia............




segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

SEM DISTÂNCIAS

Não sei se

É em ti que estou perdida

Ou nos teus sonhos.........

Partilho-os, vivo-os e afago-os contigo.....

Os teus sonhos são os meus e os meus projectam-se nos teus........

Sobrevoamos o Tecto do Mundo, cruzamos a neve eterna....

Imortais não nos tornamos.........

Mas conscientes da confiança que entre nós há........

Sentimo-nos como a águia
que a corrente do ar rasga............

Como o cavalo que
livremente pelo prado corre........

Sem distâncias........



domingo, 10 de dezembro de 2006

ATÉ A ALMA

Veludo confortável.............

Torna-se uma segunda pele..............

Gosto.................

Dessa sensação de conforto..................

Envolvente..............

Física...........

Em todo o corpo..........

Conquistando tudo até a alma...........

O roçar macio do veludo na pele nua..........

Os teus braços, enlaçando-me primeiro o pescoço e
depois as mãos, pelas costas lentamente descendo..........................

sexta-feira, 8 de dezembro de 2006

INABALÁVEL

Adoras……………..

Ver como o calor do rubor
na minha cara se manifesta…………..

No meu sorriso desajeitado…

No meu olhar meio orgulhoso,

meio desconfiado……………..

Lidar com os elogios….

Não sei……….

Nunca me habituei…

Mas os teus elogios……………………
Não nego. …
Gosto de receber………………

Por sentir que o estás a sentir…

Sem haver segundas intenções…

Genuína
a amizade que por mim tens………..

E que eu retribuo da mesma forma….

Inabalável…..

quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

DIURNO

Foi Morfeu, quem esta noite

novamente me seduziu.........

Foi contigo, no entanto que sonhei......

O teu toque que a minha pele sentiu........

O teu beijo nocturno.........

Ao de leve, irreal, imaterial

Marcado nos meus lábios.....

Noite de temporal,

mas não nos meus sonhos.......

Pois contigo sonho.............

À luz do dia,
sou eu quem te deixa ficar o meu beijo.....
Diurno.......

Para que sejas tu agora a sonhar comigo..........

quarta-feira, 6 de dezembro de 2006

AZUL = ARTE

Longo suspiro de alívio se desenha nos vidros embaciados da janela.......

Vê-se uma nesga do céu...

Limpo, translúcido, pálido ainda......

As nuvens afastam-se, entoando um suave cântico.......

De adeus?

De louvor?

Sorrio.....

Lentamente..........

e nos vidros embaciados, com a ponta do dedo traço o M do meu nome...........

O M de Mar...............

O A, inicialmente de Arte, mas que agora é também de Azul.......

E Azul é Arte também............

Hoje, o céu convida a pintar um fresco........

Uma aguarela.......

De um dia, não tão cinzento, um pouco mais azul....................

Um dia de alívio...........

terça-feira, 5 de dezembro de 2006

RETER

Retenho a respiração...

Sinto o ar a borbulhar, impaciente, desejoso
de se sentir solto no labirinto complicado e escondido entre os pulmões e as narinas.........


Um mundo que o temia e que, gigante,
com brutais gritos de guerra, ele controlava......

Surpreendido, curioso fica agora
quando o corpo o obriga a circular de forma perfeita.........
Por entre o labirinto que ele tanto maltratava.......


O corpo olha mais para dentro de si,
Identifica-se,
Corrige-se.......

Por vezes, o ar ainda se revolta, barafusta alto,
mas o corpo limita-se a concentrar no que o enriquece.......


E, em breve o próprio ar começa a gozar o momento

e volta a sentir-se Rei e Senhor.....

Num corpo mais saudável,

Mais confiante......

Mais atento a si próprio...............

segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

NÃO


Cinzenta acordou hoje a cidade...

Vento, chuva...

O habitual..........

Acordo, banhada em suores frios....

Tento lembrar-me do que me ensinaram sobre a respiração no yoga....

E controlo-me....

Enrosco-me mais nos cobertores,

abafo o corpo no calor que ele próprio gerou,

tento restabelecer a sintonia........

Para afastar um fantasma do passado que,
meus sonhos insiste em invadir......

Sem autorização....bem-vindo não é.......

Fecho os olhos e inspiro fundo..........

"Dizer não é também um acto de amor" –

a frase/mantra enrola-se, explica-se, espalha-se.......

Quando o telemóvel fez buzz para me acordar,

"não" ao fantasma tinha eu já dito........

Lastimava apenas que não fosse a tua voz a acordar-me.......

domingo, 3 de dezembro de 2006

PERFUME

Feel what’s real”

Uma bola de sabão, reflectindo o arco-íris ou a gota de perfume,
abrindo um sulco na pele..................

A bola de sabão, que se esmaga contra o ar ou a gota de perfume,

que, mesmo depois de seca,

continua a difundir o cheiro................

Que se confunde com o teu, quando o pulso me acaricias e um beijo lhe depositas………

Ou a que insiste em ficar ali presa, na curva do pescoço e se entranha na pele do teu
dedo quando a fazes deslizar….

Adoro……………..

Sentir
a gota de perfume beijar o meu corpo………….
Rondar o teu…………..
Transformar os meus sentidos
numa realidade coroada de cheiros e desejos……………………..

sexta-feira, 1 de dezembro de 2006

CORAÇÃO ABERTO

Omenare, imperavi, emulari
Ameno
Omenare, imperavi, emulari”**

Não encontro palavras para te coreografar…………

Para suavizar a mensagem que no meu corpo

Se infiltra…………………

Pedes conforto e conforto nos meus braços estendidos encontras…

Libertar-te na nave de uma igreja nua,
Propagar a força que te domina na acústica
Perfeita…………

E, sentir que a minha alma se eleva…………..
Voa contigo………
Renasce….
Regressa………….

E, eu escuto-a………………
Com o coração aberto….

**Suaviza (esta dor), conforta-me
Liberta-me
Suaviza (esta dor), conforta-me
Refrão de "Ameno" - Grupo Eros