sábado, 31 de outubro de 2009

ABRIGO




Esta noite, a chuva volta

a pedir-me abrigo.

Mas, eu, endiabrada, abro a porta

e sou eu, quem nela,

encontra abrigo.

Num desabafo,

Numa inspiração.

Num nomento criativo.

Deixando que o Vento me roube.









O que me rouba o Vento?

Palavras?

Emoções?

Sentimentos?

Nada.

Namora-me.

Dorme em mim.

Depois, solta-me.

Num poema único,

secreto.



Foto de Graça Loureiro "Let your heart beat again" (Olhares)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas

terça-feira, 27 de outubro de 2009

POR ENTRE OS DEDOS



O desejo ainda fala.
Esfomeado,
intenso,
escapa-se-me
por entre os dedos,
e cobiça-te.
Traz-te até à minha cama.
Onde te amo livremente.
Onde gosto de te amar.
Sem sombras,
sem banalidades.
Apenas isso: amar-te.



Sucumbo.
Ao Vento.
Sem medo.
Porque me sinto inteira.
Nego-lhe,
no entanto,
o teu beijo,
o teu toque.
Sou ciumenta.


Foto de Graça Loureiro, "Sleeping Beauty" (Olhares.Com)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas

sábado, 24 de outubro de 2009

BOCA



A verdade???
Diz-me
porque achas a minha boca sensual.

Se a queres beijar.
Não o imagines somente.

Fá-lo.
Demoradamente.

Toca-a com os teus lábios.
Abre os meus.
E delicia-te com a textura.

Entrelaça-a na tua.
Vive-a.
Torna-a parte de ti.

Não penses.
Repete-o.







Beijo-te na boca.
Percorro-te.

Respondo às insinuações da tua.
Tomo-lhe o gosto.
Liberto o meu.

Num grito,
sente-se como o coração
acelera.
Como as mãos correm
desenfreadamente.




Desconheço o autor da foto - recebida por mail (HI5)

Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

BRAMIDO DO MAR



Adoro seduzir-te,
e encantar a noite.
Esta noite,
confundo-te.
Deixo-te completamente só.
Apenas as velas estão acesas
e a lingerie espalhada pelo chão.
Num cenário,
em nada exagerado.
Muito banal, até.
Mas porque não estou aqui,
nua em frente à lareira,
com um copo de vinho na mão?

Onde estou?
A sentir a fúria do mar.
Não o vejo da janela do quarto.
Cheiro-o,
no entanto.
Um cheiro forte,
a algas e a espuma,
cinzenta e cerrada.
Hoje, quero que me ames,
ouvindo, ao longe,
o bramido do mar.



Foto de Negateven "When my arms wrap around you" (Olhares)
Texto protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas


domingo, 18 de outubro de 2009

LOUCAMENTE



Ama-me loucamente.
Revive-me em sonhos esquecidos.
Recria-me em todos os momentos.
Em sorrisos involuntários,
que apregoam
a vontade de cederes à tentação.
De vestires o corpo de prazer
e deixares que a alma se apaixone
febrilmente.
Torna a noite inesquecível.
Que, no meu corpo,
fique apenas o riso.
Que no calor do teu corpo,
fique à mercê
dos suspiros e dos sussurros
Por entre a prata e o dourado da noite,
siga caminho por entre o desejo.

Foto de Graça Loureiro, "Cou_Cou" (Olhares)

Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

ASSIM






Hoje não consegui escrever.

Nem quis pensar em ti.

Inevitável pensar em ti,

e ter saudades tuas.

Nunca a consegui definir,

- a saudade -.

E, às vezes, acho que é

só isso que sinto.

Que sei sentir.

Que escolho sentir.




Não é fácil descrever-me assim.

Mas quem me pode censurar,

se me repito?

Tenho saudades tuas.

E não te falo sobre elas.






Imagem "Luz Ténue" cedida pela Renata (Desconheço o autor)

Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas

terça-feira, 13 de outubro de 2009

PALAVRAS PROIBIDAS



Amei-te esta noite.



Em sonhos,


com palavras proibidas.





Nunca as escrevi.

Nunca as disse.




Disse-as hoje.


Ao teu ouvido.





Fiquei confusa.


Envergonhada.


Pronta a fugir.





Mas tu disseste-as também.


Ao meu ouvido.





Soube, então, que,


entre nós, nem as


palavras estão proibidas.



Foto de Virginia Pinhão "Goodnight, honey" (Olhares.Com)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas

Texto já colocado no WAF




domingo, 11 de outubro de 2009

MIMA-ME


Hoje quero que me mimes.

E me beijes o corpo.



Quero ouvir-te a invadir-me.



Hoje, quero adormecer contigo.

E não com o silêncio do quarto.



Ou despir-me na presença da brisa.



Ter vergonha do meu reflexo no espelho.

Não me sentir gloriosa.







Há muito que não te escrevo.



Uma carta de amor, com palavras

e expressões corriqueiras.



Não, escrevo-te sobre beijos

escaldantes em corpos nus,

reflectidos no espelho.



Sobre como esquecer o tempo,

que as circunstâncias limitam.


E gastá-lo inteiramente em ti.

Foto de Daniel Pedrogam "I need the heat of your body" (Olhares)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas
Texto já colocado no WAF

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

EMBELEZAR EM TI




Tudo a que tenho direito.

São sonhos tranquilos.

Memórias cheias de luz.



Plumas, lantejoulas.

Brilhos, glamour.

Uma noite de lua cheia.



Uma noite de amor.

Uma noite de loucura.

Uma noite de troca de olhares.









Nada de extravagante te peço.

Acaricia-me.

Demora-te no toque.



No umbigo...

Descansa.

Respira.

Não te apresses.



Entrega-te a mim.

Deixa que te acaricie.



Deixa embelezar-me em ti.







Foto de Helder Mendes (Olhares.Com)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

ABSURDA





Gostava de ser totalmente absurda.
Se é que sei o que significa ser absurda.
Mais um rotulo - que importa?
Talvez deixe de pensar tanto e,
possa rir na cara
de quem me rotulou.






Adoro ser absurda.
Apreciar uma rosa
e sentir-lhe a alma.
Contar-lhe uma história.
Ou melhor,
escrever-lhe uma.
Descrever o aveludado da pétala
e pensar, enfim
que a minha pele é ainda suave
e tu gostas de a acariciar.





"The Pink Rose" Charles Amable Lenoir
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas
Texto já colocado no WORLD ART FRIENDS

domingo, 4 de outubro de 2009

CONTRADIÇÃO



Escondo-me.
Do meu reflexo.
Da tristeza que
insiste em escurecer os meus dias.

Fujo.
Do meu próprio retrato.
Mas não de mim.

Uma contradição,
eu sei.
Mas sempre
uma viagem alucinante.





Sempre que viajo em mim,
levo-te no coração.

Penso em ti,
mas não te procuro.
Atravesso um deserto,
mas não te provoco.
Não te escondo as minhas dúvidas, mas
sei quando não me escutas.


E, então,
parto sozinha.


Foto: Desconheço o autor - enviada por mail
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas
Texto já colocado no WAF

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

O SENTIR DO VENTO



Gosto de sentir o vento


quando te seduzo.





Fechar os olhos


e sentir como as mãos


- as tuas -


falam com as minhas.





Entre carícias,


- cada vez mais exigentes -


Respostas mais intensas,


mais urgentes.


Não sei como rimam com o vento.


Esse vento forte que sopra em nós


- separa-nos -


e, empurra-nos outra vez


para dentro da paixão.











Tantas vezes to confessei.


Mais uma vez o digo:


gosto de te sentir em mim.


Sentir os teus lábios a tatuarem-me.


Reler-te quando te toco


nas minhas mãos


Foto de Luna "Este rio onde me quero" (Olhares)

Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas