terça-feira, 13 de outubro de 2009

PALAVRAS PROIBIDAS



Amei-te esta noite.



Em sonhos,


com palavras proibidas.





Nunca as escrevi.

Nunca as disse.




Disse-as hoje.


Ao teu ouvido.





Fiquei confusa.


Envergonhada.


Pronta a fugir.





Mas tu disseste-as também.


Ao meu ouvido.





Soube, então, que,


entre nós, nem as


palavras estão proibidas.



Foto de Virginia Pinhão "Goodnight, honey" (Olhares.Com)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas

Texto já colocado no WAF




6 comentários:

JPD disse...

Olá!

Gostei muito do teu blog, pela sobriedade.

Acho que escreves muito bem.

Deixo um convite

http://oguizoeogato.blogspot.com

Nilson Barcelli disse...

Quando não há palavras proibidas, é porque há sintonia e amor.
Belo poema, gostei imenso querida amiga.
Beijos.

Carmem L Vilanova disse...

Linda amiga... mas quais sao as palavras que nunca sao ditas? e se todas sao ditas, por que fazer delas, proibidas? No amor, nada deve ser proibido, desde que esteja diretamente relacionado a este sentimento/acao!
Muitos beijos, flores e eternos sorrisos!

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Marta, querida!
Dá uma espiada no que fiz na sua excelente postagem em nosso Blog. Só dei aquela mexidinha de sempre.
Depois, volto para comentá-la.
Beijos,

Também publiquei em meu Blog!

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Martinha!
Nada é pecado, proibido no amor. Acho que vc conhece aquela canção que o Ney Matogrosso gravou há muito tempo, acho que é do Chico e do Francis Himes, de certeza, não tenho, cito um trecho, aliás, muito seguido por cá: "não existe pecado pro lado de cá do sul do Equador/ vamos fazer um pecado rasgado, rolado, debaixo do meu cobertor, me deixa ser seu capacho, escraxo, seja lá o que for..."
Beijos e Bom dia!

José Rui Fernandes disse...

Rasgámos a NOITE e os lençóis
manchados de PALAVRAS por dizer,
e ao meu OUVIDO sussurraste
em gemidos crepitantes de PRAZER!

JRF