sexta-feira, 27 de agosto de 2010

SEM SONHOS

Posso ter deixado de sonhar, mas
ainda vagueio pelos teus.
Posso encontrar o caminho de volta,
mas não sei porque volto.
Hoje, estou distraída e não escuto ninguém,
embora veja o teu reflexo no espelho e
sinta o teu cheiro a misturar-se com o meu.

Foto de Alexander Kharlmov "Feeling the light" (Olhares)

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Á DERIVA

Adormeci no calor da noite,
Refresquei-me no desejo do teu corpo.
Deixei as minhas mãos loucas à deriva.
Estou eu própria um pouco à deriva,
nesta noite quente, sem brisa.
Indecisa entre oferecer-te
todo o meu mimo
ou apenas
reclamar o teu.

(Poema colocado no Facebook)




Foto de Vanessa Luckie (via João Mateus - Facebook)
Título "Laberintos en mi mente"

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

PAZ

Neste momento estou só na noite.
Em paz, a flutuar em sonhos
e um leve sorriso nos lábios.
Talvez deseje que o nevoeiro desça
e embale o meu corpo que está nu.
Está a noite abafada, o silêncio também.
Mas eu não.
(Poema colocado no Facebook)
Esta noite, esquece-te em mim.
Tatua-te na minha pele.
Mima-a, toca-a.
Liberta-a, torna-te nela.
Depois, beija-me nos lábios.
Foto de Pascal Renoux "Undefined"

domingo, 15 de agosto de 2010

AVELUDADO



Pedi-te
que me escrevesses uma carta de amor.
De palavras aveludadas e com beijos
escaldantes.
Como a areia onde me sento
e a leio.
Porque hoje recebi
um convite irrecusável do mar,
para que viesse
e lhe contasse as histórias do costume.

Mas que histórias são essas?
Se tudo o que sei são poemas,
que só tu sabes interpretar,
porque os escrevo
no aveludado
da tua pele?

Foto de Zemotion "Holly" (DeviantArt)
Já colocado no FACEBOOK

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

DUELO



Qualquer palavra pode ser censurada,

torturada e depois, libertada.

Pode encher-se de revolta,

amargura ou tristeza.

Ou tornar-se tolerante, calmante

ou mesmo amante de ti.

Num duelo, num desafio

de emoções, de vontades,

em que ninguém ganha,

em que ninguém perde.

Fica, apenas, gravado.


Foto de Bruno Silva "Eternal" (Olhares)

Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou proibidas

Texto já colocado no FACEBOOK -

continuação do jogo póetico do post anterior

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

LUFADA



Qualquer palavra
pode ser escrita a negrito,
em itálico.
Ficar ao centro, à esquerda,
ou à direita.
Tamanho gigante, médio
ou tão pequeno
que se torna difícil lê-la.
O interessante é o impacto
que causa, obrigando a
uma 2ª leitura.
É o embater na mente
e sacudir o pensamento,
desleixando o aspecto estético,
concentrando-se apenas no que transmite.
Em mim?
Uma lufada de ar fresco.


Foto de Rui Margato (Olhares)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou parciais proibidas
Texto já colocado no FACEBOOK - Um novo jogo poético

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

A SI PRÓPRIO


Não vamos falar de memórias,
desejos,
paixão.

Vamos deixar que tudo nasça,
livre, aberto a si próprio,
ao Mundo.

Sem medo de cairmos nas profundezas do mar
e abraçarmos essa sensualidade escondida.

Mesmo que não se tenha palavras para a expressar.
Mas que se viva, sem a mascarar.


Foto de Daniel Pedrogam,
"Escondo-me do que possa vir a sentir" (Olhares)
Texto já colocado no FACEBOOK
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou parciais proibidas

domingo, 1 de agosto de 2010

CONSOLO



Em dias como este, ando à procura do Sol.

Ando à procura de ti.

De mensagens,

de palavras,

de tudo aquilo

que parece ser indecifrável.

Ás vezes, tudo o que posso fazer

é escrever,

para encontrar a linha do horizonte

e esquecer essas horas nuas, doridas

em que chorei sozinha.

Em que me deixaste sozinha.

Sem uma única palavra de consolo.






Nota: Este poema e o anterior fazem parte de um novo jogo poético

- com a mesma frase de abertura

Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou parciais, proibidas

Foto de Pascal Renoux, "Sand and shells for Céline"