sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

MACIO



Acordo com os


teus beijos macios.


A tua mão a afastar-me


o cabelo da testa.


Olho-te sem te ver.


Estou ainda ensonada,


lenta a reagir.


Mas o corpo sabe,


já se molda,


procura, persegue


o teu.


Para sentir,


como a minha língua,


esses teus beijos macios


e doces.


Não sei se quero acordar,


inspirar,


soltar o ar,


olhar-te.


Ou continuar a sentir,


em todo o meu corpo,


a maciez da tua boca.



Foto de Pascal Renoux

Textos protegidos pelo IGAC -

Cópias, totais ou parciais, proibidas

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

DESABA




Dizem que vai chover.



"E chuva grossa e violenta",



avisam.



Olho lá para fora



e parece estar tudo calmo.



Mentem?



Não sei; sinto-me inquieta,



com vontade



que algo aconteça,



que desassossegue



a lentidão das horas.



Vejo-te, meio adormecido,



com as mãos entrelaçadas





no peito.



Como se a noite





já tivesse terminado



e o silêncio fosse,





de facto,





bem-vindo.



Mas eu continuo acordada.



Atenta aos ruídos



e quando a chuva,





grossa,





violenta,



como diziam,





desaba,



desaba também





sobre mim.



E, má,





acordo-te...



Foto de Pascal Renoux "Hands"


Textos protegidos pelo IGAC -


Cópias, totais ou parciais, proibidas

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

TODAS


Volto a falar de regras,

em quebrar regras,

todas as vezes que

deixo cair o lençol

e me vês nua.

Todas as vezes

que te aprisiono

entre as minhas pernas,

te envolvo

na minha pele.

Em que as minhas mãos

te arranham

suavemente

e sinto a tua boca

húmida

a apertar-me

docemente

o mamilo.

Afasto-me,

não o corpo,

apenas a cabeça

para ter a certeza

de que tenho toda a tua

atenção.

Depois,

volto a aprisionar-te

em mim.

Foto de Pascal Renoux
Textos protegidos pelo IGAC -
Cópias, totais ou parciais, proibidas

domingo, 14 de fevereiro de 2010

VEM NUM GRITO

VEM,

grito

Não sei se é sonho

Ou se estou mesmo

a gritar...

Sinto a tuas mãos

em todos os recantos

do meu corpo

Descem,

sobem,

frenéticas,

provocadoras,

sedutoras.

Cedo,

dispo-me.

Fico nua

e o teu olhar

encanta-me.

Não me tocas e

endoideço.

Quero-te.

VEM

Mas não sei

se me escutas.

Continuas

a olhar-me.

Incapaz de te ler,

de saber

o que queres,

tapo-me.

Fico

envergonhada.

Baixo a cabeça

e sinto a tua boca

na minha nuca.

Acordei

com o desejo

que não soube ler

no teu olhar


Foto de Marina Segura "Eyes"
Textos protegidos pelo IGAC -
Cópias, totais ou parciais,
proibidas
Texto colocado no WAF e no FACEBOOK
e enviado para o desafio do blog "Porosidade Etérea"

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

CARÍCIA


Falemos hoje de exageros
e de versos incorrectos.
Poderá haver exageros,
atitudes incorrectas,
mas versos?
Só se for porque
quebram as regras?
Mas, amor,
o que são
regras?
Principalmente
quando se fala
em amar
e nos sentimos
como adolescentes,
com beijos
sempre pendentes,
e fantasias
inconfessáveis.
Sem nos esquecermos
da ternura do:
"Acaricia-me"
"Onde"
e do meu suspiro,
porque
a tua voz,
junto ao meu ouvido,
é já uma carícia





Foto de Hugo Macedo "Cold and Windy" (Olhares)

Textos protegidos pelo IGAC -

Cópias, parciais ou totais, proibidas

sábado, 6 de fevereiro de 2010

NATURALMENTE





Acaricias-me a coxa.




Beijas-me o umbigo.




O teu cabelo




roça-me




o queixo




onde a minha mão




se refugia.




Estamos apenas abraçados.




Nem conversamos.




Não precisamos.




O que sabemos




um sobre o outro




o que queremos,




o que desejamos,




um do outro,




flui naturalmente.




Foto: by Marina Segura



Textos protegidos pelo IGAC -



Cópias, parciais ou totais, proibidas

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

DE IMEDIATO





Enrosco-me nos lençois.


Enrosco-me em ti.


Sinto-me tentada,


ao vestir-me no teu calor,


a perturbar-te o sono,


a amar-te naquele instante.


Encosto-me, no entanto,


no peito de Morfeu.


E confundo-me com os sonhos,


que a memória traz de volta.


Já não sei quem desejei ser


na adolescência.


Ou quem encontrar,


porque ao encontrar-te,


amei-te de imediato..



Foto de Sandra Marques




"A intensidade do corpo num olhar" (1000 Imagens)
Textos protegidos pelo IGAC ´



Cópias, totais ou parciais, proibidas