sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

IMPOSTO




Há historias que te posso contar sobre a noite…
Sobre o seu exotismo e a sua sensualidade…
Mas hoje a noite está arrogante…
E não sei bem porquê,
mas não ouso quebrar o silêncio imposto…




terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

FELIZ





Ninguém devia sentir esta angústia...
Esta solidão que nos esmaga os dias e nos faz gritar de pavor nas noites...
Mas há quem a tenha no olhar, entranhada no corpo...
E só por isso nunca se sentirá feliz....



sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

SAÍDA





Surpreende-me a chuva num dia já de si triste…
Um dia pesado, sem sonhos...
E estou presa num labirinto, sem conseguir encontrar a saída….




quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

UM MINUTO QUE SEJA




Por um minuto...
Um minuto que seja...
Esquece...
Esquece-te do Mundo egoísta e déspota...
Do medo e da solidão...
Mas não da paixão que sentiras quando fechares os olhos...
E voares para fora de ti...
Nesse labirinto de cores que é a esperança...


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

DESAFIO AO FRIO




Esta noite,
desafio o frio...
Lendo em voz alta um poema de amor...
Pronunciando lentamente cada palavra... 
Deixando que o corpo lhes dê voz..
Intensamente....


sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

PRAZER





Hoje fala-se de amor...
Não dos amores escondidos do Vento e da Lua,
mas dos meus...
Do prazer com que se definem na memoria da noite...


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

PENA




Às vezes, quero esquecer-me das boas maneiras...
Da discrição... Da paciência...
E dizer finalmente o que deve ser dito...
Em nome de todas as ofensas e insultos que escutei...
Mas, depois, penso friamente...

E sei que não vale a pena.... 

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

MALTRATAR




Não, não preciso que digas nada... Não quero saber...
As tuas opiniões, as tuas ideias...
Cansam-me... Ouço-as há anos....
Apenas as palavras mudam...
Mas tu continuas igual: agrides a vida,
Embora esperes que ela te recompense...
E, por isso, maltratas os outros...



segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

OCULTAR



Esta não é uma mentira.
Oculto apenas a verdade deste amor ilícito, este amor que incomoda os outros.
Sei que não vai durar para sempre; algo mo diz...
Não sei se é a lógica, a razão ou apenas experiência da vida...
Neste momento, sinto-me amada... E não tenho palavras para o explicar...
Não preciso que mo diga diariamente, que durma sempre na minha cama ou que esteja sentado à minha mesa a reclamar o jantar.
Gosto dos nossos encontros secretos.
Dos restaurantes discretos que escolhemos para conversarmos verdadeiramente, com alma, com prazer. De grandes passeios à beira-mar e dos SMS provocadores.
E o que dizer desses beijos que percorrem a alma e das mãos que procuram o meu corpo nesse prazer intenso que nos une?
Sem que haja qualquer mentira entre nós...
Um dia, começam as desculpas, os SMS mais breves, mais espaçados até terminarem por completo.
E sabe-se... Sabe-se que terminou e não se procura uma explicação, não se tenta descobrir onde se falhou, porque aconteceu.
Porque esteve sempre escrito naquele olhar em que o prazer se reflectiu...
Na voz do coração que nos fala suave, secretamente, mas que se ignora.
E avançamos pela vida, um pouco magoados, porque nunca se aceita bem o fim, mas dignos.

Texto escrito em resposta ao tema proposto pela editora "Lua de Marfim" e publicado na colectânea PREMONIÇÕES (lançamento 01 de Fevereiro 2015)