quinta-feira, 16 de agosto de 2018

AS VIÚVAS - PARTE III


" Olá, Gonçalo, entra, entra. Estás enorme, rapaz." cumprimenta a D.Liliana " Levo-te já um copo de leite. Serve-te do que quiseres. Tens bolo de chocolate, arrufadas, pão."

E o Gonçalo, depois de cumprimentar as senhoras, aceita uma grande fatia de bolo.

As senhoras continuam a discutir o assunto. O Gonçalo estará mais interessado em saborear uma segunda fatia de bolo do que no possível envolvimento do porteiro nos roubos.

Mas o Gonçalo está a prestar atenção e surpreende-as quando sugere:

" E se instalassem uma webcam? "

" Não sei o que isso é." confessa a D.Cristina.

A D.Madalena fica interessada, mas a D.Maria Luisa está céptica.

" Oh, Gonçalo, não sabemos muito bem como isso funciona." diz.

" É fácil..." explica o rapaz " Tem que estar ligada a um computador, mas eu posso deixar cá o meu antigo. Ou então... " faz uma pequena pausa, pega no telemóvel e mostra às senhoras a câmara " Isto também faz videos. É uma questão de a colocar num ponto estratégico, onde ele não a veja."

" Oh, meu filho." interrompe a avó " Não temos esses telemóveis XPTO, não sabemos como funcionam."

A resposta não tarda:

" Eu falo com o Pedro, a Beatriz, os gémeos, a Catarina e a Madalena. Eles ajudam." as senhoras sorriem ao ouvir os nomes dos netos.

Afinal de contas, brincaram todos juntos.

O filho da D.Maria Luisa censura-a levemente quando sabe do caso.

" Devia ter-me ligado. Se é realmente esse homem o culpado, não é a pessoa certa para estar aí."

" Mas não temos a certeza, meu filho. Não vamos acusar um homem inocente!" contrapõe a D.Maria Luisa.

No sábado seguinte, a operação " Avós" entra em movimento.

Se o Zé Manel ficou surpreendido com a chegada de toda aquele gente, não disse nada.


CONTINUA 

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

AS VIÚVAS - PARTE II


As senhoras reúnem-se para o chá em casa da Liliana.

Estão espantadas pelos acontecimentos e passam em revista todas as pessoas que entram no prédio.

As senhoras que fazem a limpeza? 

" Que horror! A minha está comigo há mais de 10 anos... Tenho plena confiança nela!" diz a D. Madalena do 4º Andar.

A senhora que faz a limpeza do prédio?

" Nunca entra nas casas. Tem tudo o que precisa na cave e se precisar de água, há uma torneira em cada patamar." explica a D.Cristina do 5º.

Os que entregam as compras? Os da electricidade? Da água?

A Maria Rosa tosse discretamente e todas olham para ela.

" Só se for o Zé Manel..."

" O Zé Manel, porteiro? " exclama a D. Liliana.

" Sim, é o único que tem livre acesso às casas. Entrega-nos o correio, acompanha os senhores da água e da luz e os das compras. Às vezes, leva-nos o lixo." explica a Maria Rosa.

" Pois... Ele entra livremente nas nossas casas. Ainda noutro dia lhe pedi para... Ah, meu Deus... " lembra a Maria Luisa " Pedi-lhe para arranjar o fecho de um dos armários na despesa... O saleiro e as taças estavam na despensa..." explica.

Faz-se silêncio, interrompido pelo toque estridente da campainha.

Era o Gonçalo, o neto da Maria Rosa que, ao passar pela porta, pensou que a avó não se importaria de lhe preparar um delicioso lanche.

Como ela não estava, não esteve com meias medidas e tocou em todos os andares.

CONTINUA

terça-feira, 14 de agosto de 2018

AS VIÚVAS


O silêncio era absoluto.

Tanto que, se não fosse a entrada limpa duas vezes por semana e o porteiro aparecer para receber o correio, pensar-se-ia que ninguém morava lá.

" Diz o Zé Manel... " confidencia o porteiro do prédio ao lado à senhora do quiosque " que são todas viúvas. Não há lá homens!"

" Coitadas! " lamenta a D. Beatriz " Deve ser uma vida bem solitária."

" O Zé Manel diz que os filhos e os netos aparecem por lá e elas estão sempre em casa umas das outras a tomar chá." declara o Sr Esteves.

" Ainda bem que fazem alguma coisa!" concluí a D. Beatriz.

Nesse momento, a D. Maria Luisa do 1º Andar bate à porta da D.Maria Rosa no 2º.

" Oh, Maria Rosa, tu vais desculpar-me, mas já me devolveste as taças de aperitivos de prata que te emprestei noutro dia?"

" Sim, sim, Maria Luisa. Até fiquei para tomar chá contigo; deixei-as em cima da bancada da cozinha." confirma a Maria Rosa. " Porquê?"

" Falta-me uma. Guardo-as sempre no mesmo lugar e hoje, resolvi limpar o pó na despensa. Abri a caixa e só lá estão 5!" desabafa a vizinha " E também me falta um saleiro!"

" Ah! " exclama a Maria Rosa " É melhor entrares; é que estão a desaparecer coisas e até pensei que fosse exagero da Liliana, mas a Sofia queixou-se de que lhe desapareceu dinheiro e agora és tu."

" Alguém entrou nas nossas casas? " Maria Luisa fica assustada " Por onde? "

" Alguém com acesso às nossas cozinhas. É que a Sofia disse que deu uma gorjeta ao rapaz do talho e deixou a carteira na bancada."

" Terá sido o rapaz do talho?" admira-se a Maria Luisa.

CONTINUA

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

MATEUS - O FINAL


Ao despedir-se, Laura entrega-lhe um papel com um número de telefone.

" Eles ajudam-te." e vai-se embora.

Mateus olha para o número e sente uma vontade louca de beber.

Até deita o gin no copo, mas as palavras da irmã não lhe saem da cabeça.

Liga, a voz do outro lado é paciente, ouve-o e no dia seguinte, Mateus vai até à reunião.

Tem um longo trabalho à frente, mas Laura está lá para o ajudar e o Carlos e a Raquel convidam-no a passar o fim de semana com eles na casa da praia.

Mateus leva os filhos com o consentimento da Margarida. 

Ela continua a dizer que não está preparada para falar com ele.

Apesar dos progressos... 

Carlos dá-lhe o nome de uma empresa que poderá estar interessada nos serviços dele como director de marketing.

A empresa quer mudar de imagem, de estratégia comercial e é uma boa oportunidade do Mateus ingressar novamente no mercado de trabalho.

Mesmo assim, a Margarida continua sem falar com ele.

E, um dia recebe uma carta de um advogado. Quer o divórcio.

Os amigos ficam em pânico.... Vai voltar a beber de certeza, mas Mateus resigna-se.

Apenas se opõe à ideia de ela se mudar para outra cidade com os filhos.

O que origina uma grande discussão e graves acusações.

Mas Mateus é firme e Margarida acaba por aceitar.

A vida é sossegada agora, sossegada demais, riem-se os amigos, mas Mateus até gosta.

E muito...


FIM

sábado, 11 de agosto de 2018

MATEUS - PARTE IV



E o emprego? O que aconteceu ao emprego? lembra-se de repente.

O Carlos trabalhava com ele, não trabalhava? 

Volta a ligar-lhe e o amigo explica-lhe que foi " convidado " a sair. 

Ofereceram-lhe uma generosa indemnização e não se falou mais dele.

" Mas o que é que eu fiz? " diz Mateus desesperado, mas Carlos não quer discutir mais o assunto e desliga.

Oh, meu Deus, magoei assim tantas pessoas? Não foi só a Margarida, os meus amigos também.

Resolve dar um passeio... 

Precisa de organizar as ideias, se é que se lembra de como isso se faz.

Senta-se num banco de jardim... Fecha os olhos por uns momentos, a mente num turbilhão.

Sente uma mão no ombro, abre os olhos. É a irmã que lhe sorri.

" Magoei-te? " é a primeira coisa que lhe pergunta.

" Não estavas em ti." responde Laura calmamente e pega-lhe na mão.

E ficam os dois em silêncio... como se fosse a coisa mais natural do Mundo...

Os dois ali no jardim, em silêncio a gozar o Sol.


CONTINUA



quinta-feira, 9 de agosto de 2018

MATEUS - PARTE III


A Laura faz-lhe um breve resumo do que se tem passado e Mateus não quer acreditar.

Carlos mostra-se relutante, mas acaba por confirmar que sim, que ele bebe e muito e pode ser muito desagradável.

Por isso, Mateus não fica surpreendido quando o sogro lhe diz secamente que não é boa altura para falar com a Margarida.

Ah, sim, têm que falar, mas não hoje. Está demasiado magoada para discutir o assunto.

Tem que esperar que ela esteja pronta para isso... Talvez ele, Mateus, deva pensar no que quer fazer.

Porque a Margarida quer encontrar uma solução... ele deve-lhe isso... E aos miúdos também.

" Posso vê-los? " pergunta Mateus, a medo.

" Se estiveres sóbrio... podes ficar aqui no jardim com eles." decide o sogro e desliga.

E, agora, Mateus?

O que queres fazer? Não é a Laura ou o Carlos quem perguntam.

É ele, Mateus quem o faz.   Quem tem que reflectir na vida, saber o que quer fazer.

Mas, na verdade, o Mateus não sabe.

Está desiludido com a vida, com ele próprio e quer simplesmente esquecer.

Esquecer ou perder-se... De quê ou quem?


CONTINUA

terça-feira, 7 de agosto de 2018

MATEUS - PARTE II


Em casa, a Margarida está desesperada e desabafa com o Carlos.

Este sente-se pouco à vontade, não sabe o que há-de dizer e toma nota mentalmente de pedir à Raquel para telefonar à Margarida.

A Raquel assim faz, mas o telemóvel da amiga está desligado.

Também Mateus, quando acorda com os olhos pesados e a boca pastosa, não a encontra.

Terá saído com os miúdos?  

Talvez tenha deixado um bilhete, pensa, mas sente-se tão tonto que volta a cair na cama e adormece novamente.

Quando acorda, já está a escurecer. Estranha não ouvir qualquer ruído e tenta ligar para o telemóvel da Margarida, mas tal como aconteceu com a Raquel, dá sinal de que está desligado.

Mateus telefona então para a Raquel, mas esta apenas confirma o que ele já sabe. O telemóvel está ligado.

O Carlos pergunta-lhe:

" Como te sentes? " e Mateus fica surpreendido.

" Porquê? O que aconteceu? " e Carlos conta-lhe tudo o que se passou na noite anterior.

Mateus fica sem palavras e despede-se do amigo com um " Até breve".

Será? Será que a Margarida fez o que ameaçou uma vez?

Procura na lista de contactos o número da sogra e está tão nervoso que liga para a irmã.

Esta atende de imediato e percebe-se pelo timbre da voz que se passa alguma coisa.

" O que aconteceu, Mateus? Bebeste novamente? "

E Mateus não pode negar.

CONTINUA