quarta-feira, 27 de abril de 2016

DESAFIO



Esta noite, estou na corte de Henrique VIII...

Uma corte luxuosa, cheia de brocados dourados e sedas escarlates...

Um Rei obeso, doente... Uma jovem Rainha, estudiosa e defensora da Reforma...

Da Bíblia escrita em Inglês para que todos a possam ler, ouvir e compreender...

Mas na sombra, há outras Rainhas, repudiadas, mortas, divorciadas...

Há as intrigas, os interesses dos favoritos...

Qual o destino desta Rainha? 

Sigo atentamente os passos de Kateryn Parr... Pelos corredores dos palácios...

Nas caçadas... Nos jardins... Nos jantares sumptuosos...

E, embora saiba o que vai acontecer, resisto à tentação de ler o final do livro...

Porque faz parte de um desafio que aceitei para tornar 2016 mais interessante...

Seria batota...

Entretanto, sugerem algum livro? 




domingo, 24 de abril de 2016

DIFERENTE



Um dos livros da minha vida é, sem dúvida, "Não matem a cotovia"...

Li-o na adolescência e reli-o há uns meses...  Um livro que continua actual...

Porque a questão principal é: 

Seria justo matar os sonhos, a vida de Jem por causa de ódios, rivalidades de uma sociedade fechada em si e ao Mundo?

Às vezes, acho que a sociedade não mudou muito...

Porque continua cheia de medos, rivalidades, inveja...

E eu quero apenas viver a minha vida... 

Não a posso deixar em suspenso e estar sempre preocupada com as atitudes dos outros...

A tentar descobrir o porquê desta atitude e as consequências futuras... 

Os outros vivem, mas eu não...

Alguém me disse que só me magoam se eu deixar...

Ontem.... 

Hoje vai ser diferente....




terça-feira, 19 de abril de 2016

LESA-MAJESTADE





Confesso o meu cansaço…

Ouvir os mesmos argumentos todos os dias… 

Com as mesmas palavras, pontos e vírgulas… 

Sem uma nova ideia… 

Pior, sem aceitar uma nova ideia...

E canso-me…

Da insolência… Da arrogância… Da falta de respeito...

Mas, sobretudo, do crime de lesa-majestade que é, eu (raramente) responder-lhes à letra...



quinta-feira, 14 de abril de 2016

MEDO


O tema da minha crónica de hoje seria o medo... 

O nosso e o dos outros....

Que invade, envenena, limita a existência... 

E, que muitas vezes, não enfrentamos...

Mas não, não é sobre o medo que vou falar... 

É sobre a luz e o "Bolero de Ravel"...

A coreografia poderosa de Maurice Béjard...

A sensualidade que ressoa em cada nota, em cada gesto...

O despertar da luz que acompanha essa nota, esse gesto e explode na alma...

Libertando-a do medo... O nosso e o dos outros....

 

segunda-feira, 11 de abril de 2016

LINGUAGEM


As pessoas continuam a surpreender-me...  Pela negativa...

Leem? EscrevemSabem a diferença entre a linguagem oral e a escrita? 

As regras da gramática? 

Ou como o vocabulário pode ser rico, ter ritmo e embelezar a frase?


Muitas vezes, numa frase de 10 palavras, 5 são palavrões. E não se conjuga os verbos...

Estou fora de moda? Talvez...

Porque o simplificar da linguagem não significa que se tenha que assassinar a gramática e amedrontar as palavras...

 


quinta-feira, 7 de abril de 2016

TARDE




Esta é a crónica de um dia de ilusão...

Por ter desejado que o Sol iluminasse o céu limpo de nuvens...

Mas esqueci-me do Vento... 

Esse Vento insuportável que se esconde nas esquinas e nas vielas...

Arrogante, trocista, desfaz-nos em segundos o sonho de um dia ameno de Primavera...

E depois... acalma.... 

Mas já é tarde... 




domingo, 3 de abril de 2016

DIGO NÃO



Impor... Exigir... 

Duas palavras nada agradáveis, que confesso, não gosto...

Com as quais tive, tenho imensos dissabores... 

A razão?

É simples: tenho que aceitar o ponto de vista dos outros, sempre, sem excepções, porquê?

Tenho que dispor do meu tempo para ajudar os outros e os outros nem sempre me ajudam, porquê?

Tenho fama de ser intransigente... Talvez o seja... 

Pelos anos em que segui escrupulosamente essas regras, em que tive que calar o meu "eu" para que a imagem fosse "perfeita"...

Mas a imagem não era perfeita... 

Havia já pequenas fissuras, pequenos "nadas" na pele, na mente dos presentes...

E dizer "não" não era aceitável... 

Mas temos que dizer "não" de vez em quando, mesmo se disserem que somos as piores pessoas do Mundo...

Hoje eu digo NÃO...