quarta-feira, 1 de abril de 2015

É MENTIRA - O MAROTO DO TIO BERNARDO




Já perdi conta aos anos que vivo nesta vila simpática onde todos se conhecem e se tratam por tu.
O progresso já se instalou, claro está, mas há regras, porque conseguimos que fosse declarada Patrimônio Nacional.
É o local ideal para escrever os meus romances policiais com um leve toque erótico, e o sucesso que estou a ter surpreendeu-me.
O meu editor está a pressionar-me para que faça uma pequena viagem de apresentação do novo livro, mas estou relutante. Desde que a minha mulher morreu, tornei-me mais solitário e não tenho muito paciência para elogios e perguntas sem nexo.
Por isso, quando o Jaime me veio visitar, achei que ele seria a pessoa ideal para apresentar o livro.
O Jaime estudou literatura moderna, é tradutor e conhece muito bem a minha obra. Já leu o novo livro, tem uma opinião sobre o tema que pode partilhar com o público.
Oh, tio, mas não fui eu quem escreveu o livro. As pessoas vão querer saber como te inspiraste, o porquê de misturar o policial com o erótico, etc....”
Dá a tua opinião! Diz que me quis afastar do crime tradicional, do detective corrupto... Inventa...” sugiro, mas o Jaime não está convencido e abana a cabeça.
Oh, tio Bernardo, está louco. Um livro é muito pessoal; sei lá porque resolveu escrever uma história sobre uma mulher detective e porque é que ela tem um "affair" com um stripper suspeito de homicídio. Porque lhe chamou Renata.” expõe veementemente. Lembra-me o meu irmão Miguel que também adorava um bom debate.
Dá a tua opinião!” repito “Renata era o nome da tua tia...”
Tenho a certeza absoluta de que a tia Renata não era... maluca, digamos!” confessa Jaime
Rio-me também e digo:
Mas era sexy....” e o Jaime atalha envergonhado: “ Não preciso de saber!”
"
Excerto do meu conto sobre a "Mentira" e publicado na Colectânea da Editora Pastelaria Studios com o mesmo nome.



domingo, 29 de março de 2015

O MUNDO





Esta noite, pouco importa o que diz o Mundo...
Nada é relevante... Nada é impossível...
Porque hoje lembrei-me do meu Pai e da sua alegria em viver....



quarta-feira, 25 de março de 2015

LIBERTAR





Este não é um bom lugar para estar…
O silêncio incomoda e as palavras, quando as há, ofendem…
Por isso, não falo… 
Falarei longe daqui quando a noite sorrir e eu me libertar....



sábado, 21 de março de 2015

O TEMPO





Não sei o que dirá o tempo ...
De mim... De ti...
Ou desta noite em que desafiamos o Mundo....



quarta-feira, 18 de março de 2015

VIL




Hoje, fala-se em traição…
Traição vil, violenta… O lado escuro da alma, da noite, da vida…
Mas o pior de tudo, é não haver remorsos nem arrependimentos…
E pensar-se que é intocável…


sexta-feira, 13 de março de 2015

O CONVIDADO SURPRESA




O tema do jantar: Máscaras de Veneza.
As cores: preto, branco e dourado.
A mensagem: sedução sofisticada.

A mesa está pronta – a toalha é branca, o tecido damasco. Os guardanapos, também de damasco, também brancos, estão dobrados em triângulo. Os pratos, de design moderno, são pretos com um friso dourado igual ao dos copos.

Optou-se por um arranjo floral simples, de flores campestres e as velas, que se acendem agora, são douradas.

Os convidados obedecem às directivas e as cores dominantes no vestuário são o preto e o branco e o dourado foi escolhido para as máscaras.

Apenas um destoa: está vestido completamente de preto e a máscara é branca, lisa, sem qualquer arabesco.


Quando lhe perguntam o que representa, diz numa voz neutra: “Sou a Morte!”....

Nota:

Excerto do conto enviado para a Editora Pastelaria Studios e subordinado ao tema "Adivinha quem vem jantar"

terça-feira, 10 de março de 2015

ESMAGADAS





Esta noite sonhei com as palavras perfeitas…
Mas acordei vazia, sem vida, sem nada…
Como se as palavras, que sonhei perfeitas,
tivessem sido esmagadas pela violência da chuva...