terça-feira, 18 de junho de 2019

O CASAMENTO


Brites está nervoso.

Ele que mantém o sangue frio nos casos mais complicados... está nervoso com o casamento!

Não consegue fazer o nó da gravata, os botões de punho rolaram para debaixo da mesa.

E, como se isso não bastasse, o Faísca, o cachorrinho que adoptaram há uns meses, fugiu com um dos sapatos.

Lá consegue restabelecer a paz com a ajuda do irmão que chega para o acompanhar.

Acaba de se vestir, o irmão assegura que está " perfeito " e depois de entregarem o Faísca à vizinha que vai tomar conta dele enquanto estiverem ausentes, seguem para a Igreja.

" Sim, o atraso é da noiva e não do noivo!" brinca o irmão.

" Pois..." diz o Brites que acha que a gravata está muito apertada. " Os Pais já lá estão? "

" Relaxa, está tudo controlado!" afirma o Mário.

Contudo, ao darem a curva para entrarem na avenida que leva à igreja, são surpreendidos pelo fumo negro.

" Mas o que se passa? " pergunta o Brites e Mário estaciona o carro.

Ouve-se a sirene dos bombeiros e um carro de polícia passa por eles a toda a velocidade.

Brites começa a correr e o irmão segue-o.

Ao entrarem na avenida, vêem que é a Igreja que está a arder.


CONTINUA

segunda-feira, 17 de junho de 2019

DESAFIO AOS COMENTADORES


Novo desafio:

Continuo a falar sobre os actores da peça de Teatro?
Alguém é assassinado no Teatro, mas ninguém sabe quem é e o que estava a fazer no palco.

É o dia do casamento do Brites, mas alguém incendeia a Igreja e no rescaldo aparece um corpo.

Ou outras sugestões.


Aguardo os vossos comentários....

domingo, 16 de junho de 2019

A PEÇA DE TEATRO - O FIM


O público ri com ele e os actores sentem que segue atentamente a acção.

Contudo, quando o primeiro acto termina, os aplausos são poucos.

O Luís e o Ricardo já estão nos bastidores e o encenador sorri-lhes.

" Então, isto é só o 1º acto!" e o Sérgio encolhe os ombros, não muito convencido.

" Tens a certeza de que isto vai resultar?" sussurra o Ricardo, nervoso.

" Calma, temos que ter calma!" aconselha o Luís e todos se preparam para o segundo acto.

Este é um pouco mais dramático, por causa do discurso da personagem do Sérgio.

Diz finalmente o que pensa da personagem de Carlos, demonstra que é um bom amigo, não é apenas alguém com quem se vai beber uns copos.

O público reage favoravelmente e Carlos deixa-se levar, tornando a personagem dele mais humilde, mais humana.

Quando o segundo acto termina, os aplausos irrompem e até o Ricardo é chamado ao palco.

Os cinco actores não sabem se devem rir ou chorar, mas o Ricardo está muito comovido.

Haverá novas propostas para ele e novos desafios para os actores.

As críticas não podiam ser melhores e durante uns meses, os bilhetes estão esgotados.

A Beatriz é a primeira a sair, recebeu um convite para fazer uma novela e o Luís está já a preparar uma nova peça.

A vida está a correr bem e tudo começou com uma peça de que ninguém gostava.


FIM




sábado, 15 de junho de 2019

A PEÇA DE TEATRO - PARTE IV


Estão todos entusiasmados e o Luis tem a certeza absoluta de que a peça vai ser um sucesso.

O Ricardo está um pouco nervoso, ouve as opiniões dos actores atentamente.

Uma peça é um pouco diferente de um argumento, pensa e pode ditar o fim da carreira, mas só o saberá no dia da estreia.

O teatro está cheio e todos chegaram cedo demais.

Até a Alice está nervosa e verifica novamente os adereços. 

A Beatriz e a Susana partilham um camarim, a maquilhadora está a terminar, mas parece que as compreendeu e também não fala.

A Paula já está pronto, acha o camarim sufocante e por isso, saí para o corredor. 

O Carlos e o Sérgio já lá estão, mas estão calados e a Paula não se atreve a interromper o silêncio.

O Luís está no gabinete, sabe que deve descer para apoiar os actores, mas está a adiar ao máximo esse momento.

Quanto ao Ricardo, não se aproxima do teatro. É errado, admite, mas não consegue.

As pancadas de Moliére soam, a cortina sobe, as luzes acendem e o Carlos começa a rir-se.


CONTINUA

sexta-feira, 14 de junho de 2019

A PEÇA DE TEATRO - PARTE III



" Pois... e eu sou apenas o amigo dos copos da personagem do Carlos..." acrescenta o Sérgio " Sempre que abro a boca, ele começa com outro discurso... Alguém tem que reescrever a minha personagem... Quero dizer à personagem do Carlos o que penso verdadeiramente dela."

" Mas isso é óptimo!" interrompe o Luís " São boas ideias; teremos que estudar a maneira de as incorporar no texto original, mas gosto. Gosto bastante!"

" Se reescreverem a personagem do Sérgio, também quero que a minha o seja. Afinal, sou a melhor amiga... " exige a Susana.

" E eu também!" diz a Paula mas o Luís intervém de imediato.

" Vocês perceberam a minha ideia? Não vamos alterar a peça original, vamos simplesmente incluir as vossas opiniões. Ok? "

" OK." repetem os cinco actores.

Nessa noite, o Luís, munido das notas da Alice, discute o assunto com o produtor.

Este concorda com as ideias expostas e o Luís pede ajuda a um argumentista amigo dele.

Ao princípio, o Ricardo fica hesitante, mas depois de ler as notas, acha interessante a ideia e lê a peça original.

Decidem escrever uma nova peça e toda a acção decorre na reunião geral antes de começarem os ensaios.

Na semana seguinte, os actores recebem a nova peça e ficam entusiasmados.

Como o Luís disse, todas as ideias foram aproveitadas e escritas numa forma mais polida.

As novas personagens estão mais ricas, mais profundas e todos têm um papel de destaque.

CONTINUA

quinta-feira, 13 de junho de 2019

A PEÇA DE TEATRO - PARTE II


A Beatriz lê a primeira linha e, como combinado, o Carlos começa a rir-se.

" Estás a rir-te de quê?" pergunta a actriz e o Carlos tenta conter o riso.

" Mas isso é tão pobre, tão triste... Tenho que rir!" responde o Carlos.

" Se tens uma ideia melhor... sou toda ouvidos!" comenta a Beatriz, fingindo-se irritada.

A Susana interrompe com um ar muito confuso.

" Vocês desculpem, mas eu não entendo nada. Isso não está aqui!" e aponta para o guião.

Luís bate palmas e elogia:

" Isto está óptimo. Podemos aprofundar um pouco mais os diálogos, mas é exactamente isto que quero. Quero comunicação com o público, quero que eles compreendam os vossos objectivos...." explica.

A Paula e o Sérgio estão calados a observar a cena atentamente e decidem também falar.

" Protestamos!" diz o Sérgio, surpreendendo toda a gente.

" Protestam o quê?" questiona o Carlos, sem entender, pois , segundo o guião, as personagens da Paula e do Sérgio só entram no segundo acto.

" Vocês dominarem o primeiro acto e eu e a Paula só entramos no segundo. As nossas personagens são tão importantes como as vossas." acrescenta o Sérgio.

" Ah, sim? Então e eu? " observa a Susana " Na maior parte das cenas, eu só escuto a Beatriz a queixar-se."

" Mas estás presente!" intervém a Paula " Agora, eu pareço a parente pobre, a cidadã de segunda classe."

O Luís ri-se e pergunta baixinho à assistente:

" Estás a anotar isto tudo?" e a Alice confirma.

CONTINUA


quarta-feira, 12 de junho de 2019

A PEÇA DE TEATRO


" Isto é horrível! exclama a Beatriz na leitura da peça " Não sei se a quero fazer; vamos ter  más críticas e a peça não vai durar mais que um dia..."

" Bravo! É exactamente isso que eu quero! Comentários, receios, sugestões..." diz o Luís, o encenador " Uma peça sobre uma peça."

" Uma peça sobre uma peça?" repete o Carlos, não muito convencido.

" Sim, vamos improvisar.  Conversem uns com os outros, estabeleçam diálogos que serão inseridos nesta peça." explica o Luís, entusiasmado.

Os actores saem, sem saberem exactamente o que fazer e o Carlos convida a Beatriz e a Susana para jantarem.

No restaurante sossegado do bairro, a Susana pergunta aos outros dois:

" Acham que vai resultar? "

" Talvez. A ideia é diferente. Nunca me pediram para escrever os meus próprios diálogos." responde a Beatriz " Acho que posso aproveitar isto."

" Sem dúvida. O Luís falou também em receios... Podemos expor isso... mas temos que reler a peça para saber como." sugere o Carlos.

Os três trabalham até de madrugada em casa do Carlos e antes de se encontrarem no teatro ao fim da tarde, voltam a ler o que escreveram.

A Beatriz acrescenta algumas linhas, a Susana retira outras, mas o Carlos mantém as suas.

" Então? " Luís fica no centro do palco à espera que eles falem.

" Tenho algumas ideias. Trabalhei com a Susana e o Carlos, uma vez que as nossas personagens na peça real estão interligadas." comenta a Beatriz.

" Óptimo! Vamos ouvir... " 


CONTINUA