domingo, 31 de outubro de 2004

O CAMINHO DA LUZ

Não é o vento que entra de rajada no meu quarto e brinca com os livros que me assusta!
Nem a chuva que se prepara para castigar uma vez mais a cidade!
Nem mesmo os teus silêncios, que acabei por compreender e aceitar!
Eu própria estou mais silenciosa, porque estou desiludida com aqueles que teimam em viver nas trevas!
São egoístas esses, que têm o poder na mão para modificar as coisas, mas se escondem por trás duma máscara, duma frase feita, duma explicação débil, que não tentam procurar o caminho da luz!
Esses para quem ninguém mais existe; que se julgam os donos do mundo, imbatíveis e afinal, o mundo também se pode voltar contra eles
!
Já andei no caminho das trevas e para lá não quero voltar!
Estou feliz no caminho da luz, onde me encontrei e onde estou em paz!
Porque continuo a ter o meu amigo sincero e sei que basta um clik no rato para que um de vocês me estenda a mão!
Luz = verdade! De que não devemos ter medo
!!

quarta-feira, 27 de outubro de 2004

PERFUMES

Não sei se escrevo prosa!
Não sei se escrevo poesia!
Só sei que escrevo o que tenho aqui dentro escondido e que partilho com quem sabe ler verdadeiramente o que aqui exprimo!
Nem sempre é fácil; por vezes, perdemo-nos em caminhos sinuosos, em cavernas de acesso difícil, mas encontramos o caminho de volta.
Ontem, deixei-me levar pelos aromas dos perfumes, deixei que me envolvessem numa dança louca de cheiros a jasmim, a incenso!
Até me esqueci que lá fora, o vento e a chuva conspiravam para nos amargurarem a noite!
O perfume que escolhi chama-se ICY, porque é fresco, leve - combina comigo!

terça-feira, 26 de outubro de 2004

NÃO ESQUECI

Esqueci-me:
dos lagos tranquilos, escondidos entre as montanhas!
dos ribeiros, de águas puras e selvagens onde os animais bebem sem medo!
das cascatas e das quedas de águas nos sitíos mais inesperados!
das cataratas imponentes e violentes e do nevoeiro que formam e do rugido que soltam!
Mas não me esqueci:
do sorriso daquela menina, toda vestida de rosa
e
dos beijos que atirava com a mãozinha para quem passava

segunda-feira, 25 de outubro de 2004

VONTADE

Dormi um sono profundo, sem sonhos, mas quando acordei, pensei logo em ti, onde estavas e o que fazias!
Não vou negar a tua falta, a saudade ou a vontade de te ligar para o telemóvel! Não vou negar que me vai doer, ainda mais porque sempre foste honesto comigo. Era fácil conviver contigo, porque sempre me trataste como alguém que te merecia respeito!
Hoje, vou começar a descer o desfiladeiro - está escorregadio, as pedras lisas demais e há poucos apoios para os pés.
Nunca fui muito boa a escalar; acabo sempre com as mãos e os pés ensanguentados.
Vou ter medo; vou ter vontade de desistir; vou barafustar contra tudo e contra todos, dizer coisas de que depois me vou arrepender!
Mas, tal como o mar depois da tempestade, vou ficar calma. E, vou continuar, mesmo que os Deuses tenham decretado que passarei o resto da minha vida só! Ou não e alguém esteja à minha espera no fim do arco-íris!

domingo, 24 de outubro de 2004

ONTEM

Ontem, foi o dia que guardei para mim.
Recusei que alguém me ditasse as regras do jogo – ontem, foi o dia em que vagueei pelas ruas, sem dar atenção a quem quer que fosse
!
Ontem, vasculhei as lojas à procura de novas cores para alegrar o meu mundo, para seduzir a minha alma!
Ontem, perdi horas à procura dum livro novo, diferente!
Ontem, deixei-me levar pelas emoções – não sei se ri, não sei se chorei!
Ontem, fui à procura do rio – daquele rio turvo, mas imponente que seguia o seu curso, calma, lentamente, como se nada o preocupasse!
Ontem, encontrei paz, fiquei em paz e estou finalmente em paz!

sexta-feira, 22 de outubro de 2004

OBRIGADA

Há momentos em que queremos estar sós!
Outros em que procuramos aqueles que são nossos amigos!
Há momentos em que esquecemos que temos um passado!
Outros em que deixamos que ele nos atormente, nos crucifique, nos faça rastejar e para quê?
É sempre a pergunta que fica, o ponto de interrogação, uma ferida mal cicatrizada!
Sugeriram-me que procurasse o que está por trás do arco-íris! Engraçado, mas nunca pensei nisso!
Mas, quem sabe? talvez lá encontre o que procuro de diferente. Aqui, encontrei-vos - um prazer, uma benção e por isso, obrigada!

quinta-feira, 21 de outubro de 2004

A PORTA

Sem saber bem donde, hoje apareceu um arco-íris.
Começou a desenhar-se no preciso momento em que abri a porta!
Como se soubesse que eu precisava de sorrir, de sentir a beleza de cada uma daquelas cores suaves, delicadas como são as cores dos bibes das crianças!
Porque trazem esperança, contam histórias, provocam risos!
Sei que a porta não se fechou completamente; talvez eu possa ainda entrar e esclarecer tudo!
Ou não e fique apenas uma recordação!
De qualquer forma, vou recomeçar - vou procurar novas cores, novas ideias, novos livros, mas sempre apoiada naqueles prazeres simples, como a gargalhada duma criança feliz!
Enfim, tudo aquilo que me enche o coração e que posso e quero dar!!!

quarta-feira, 20 de outubro de 2004

A DOR

A chuva parou, mas o vento continua a soprar e a empurrar-nos para um destino que não queremos.
Desligo o telemóvel, porque quero estar só e os outros olham-me desconfiados, não acreditando que eu seja maluca ao ponto de enfrentar a ventania!
Mas eu preciso de ar, de esquecer a dor que insiste em me pontapear e a fazer com que sangre, bem lá no fundo do meu ser!
Depois, quero chorar e não quero que os outros vejam. Ou melhor, mesmo que vejam, quero que fiquem na dúvida se estou mesmo a chorar ou se é este vento agreste e frio que faz com que as lágrimas humedeçam os meus olhos!
Este é um momento privado e já que não o posso partilhar com quem queria, prefiro ficar só!!!

À CHUVA

Eis que chegas, por fim, chuva malvada!
Chicoteias-me e ris-te do meu cabelo em rebuliço, da minha roupa molhada!
Oh, chuva malcriada que escureces a minha cidade, com este nevoeiro espesso, roubas-lhe a alegria, porque não deixas o sol brilhar!
Insolente, a brincar com os meus sorrisos, a transformar o esperançoso em desesperado!
Oh, chuva, se queres brincar, aqui estou - a oferecer-te o meu rosto para que o transformes numa pintura abstracta, o meu corpo numa escultura pós-moderna.... mas tu sabes, não sabes, chuva que apesar dos altos e baixos, tenho prazer em viver e em estar contigo!

segunda-feira, 18 de outubro de 2004

O DESFILADEIRO

Por onde quer que vá, só ouço falar de amor!
Mas hoje não vou falar de ti - vou falar de mim!
De mim e do medo que me atrofia os dias e me faz sentir isolada de mim própria e dos outros!
Da dor que tento disfarçar,
mas que não me deixa concentrar no que gosto verdadeiramente.
Do silêncio que os outros interpretam mal, mas que quem me conhece bem, sabe que ele é sinal de que algo vai mal!
Da minha boca seca, dorida!
Das palavras que me custa a articular e que só consigo escrever!
Do grito que deveria dar - bem alto, para soltar esta dor que me faz ter medo
!
Do desfiladeiro a que cheguei e que tenho que atravessar, mas que vou atravessar com calma, com tempo para não escorregar, cair e perder tudo!
Porque só eu o posso fazer e com o apoio de quem me quer bem. Aqueles que são meus amigos verdadeiras e para quem não há distâncias!

sexta-feira, 15 de outubro de 2004

A "CAÇA"

Não sei o que faço; não sei o que penso!
Perdi-me na vaidade; na euforia das coisas que, afinal não me pertencem!
Está escuro; está frio e não posso vaguear pelas ruas!
Contudo, sei que amanhã vou andar à "caça" do monstro das 3 cabeças com a Ventania e a Sofia - monstro esse que todos, duma forma ou doutra, temos na nossa vida!
Poderei não saborear o bombom, mas estará lá um solitário com um botão de rosa para que o seu aroma tome conta do quarto.
Talvez até o descreva na minha história, porque, enfim como Flaubert diz: "Cuidado com a tristeza. Ela é um vício!"

quinta-feira, 14 de outubro de 2004

PAIXÃO

Dizem os outros que estou apaixonada. Estarei? Não sei; talvez se a paixão for:
pensar em ti
escrever páginas e páginas sobre ti e depois destruir tudo para que ninguém saiba verdadeiramente o que penso.
Enfim, quero proteger-te de tudo o que te possa magoar! Para que não sofras - mesmo que isso signifique que tenha que me afastar de ti!
Mesmo que viva atormentada pela saudade; mesmo que cada lágrima escondida me rasge um pouco mais o coração!
Porque eu estou a ficar magoada, pois não entendo os teus silêncios! E tenho medo da tua resposta, se fizer uma pergunta indiscreta! E, porque tenho horror à maldade de quem fala sobre o que nada entende, apenas para preencher o vazio da vida!
Se estou a ser cobarde??... Penso nisso depois!


quarta-feira, 13 de outubro de 2004

PEQUENOS PRAZERES

Pequenos prazeres!
Aqueles prazeres que fazem parte integrante da nossa vida e de que nem nos apercebemos como nos afectam!
O bombom que se derrete na boca e a sensação que invade o nosso corpo. Quente, espesso, o doce misturado com a saliva!
Entrar numa banheira cheia de água quente, com espuma e óleos aromáticos! Relaxante, esquecemos a fadiga, fechamos os olhos e suspiramos de contentamento!
Ou uma lingerie nova - não para seduzir os outros, mas para nos seduzir! Realçar o corpo, deixar que o espelho devolva a imagem duma mulher feliz!
Enfim, pequenas coisas de que os outros podem troçar, mas que devem respeitar, porque o prazer que tiramos dessas pequenas coisas é tal, que parece que estamos no céu!!!

segunda-feira, 11 de outubro de 2004

NO BOSQUE

Pensei procurar o sol e a lua! Talvez encontrasse uma resposta para o frio que me invade a alma, mas em vez disso, fui passear com a Ventania e a gata Sofia, para o bosque. O bosque onde estas duas personagens se perdem e inventam mil histórias de encantar para quem quer que lá passe e as escute!!
Dei por mim a escutar o que dizia o meu coração e a escrever as palavras que ele me ditava. Pouco a pouco, a história começou a ter sentido e agora que parei, sinto-me despida, desconsolada, desanimada, porque não sei verdadeiramente o que a Ventania e a Sofia estão a fazer neste momento.
Também eu quero encontrar o duende, porque diz a lenda, que se o olharmos nos olhos, ele não pode mentir e há uma verdade que eu quero descobrir!!! Neste momento, sinto-me com forças para a encarar - a verdade e dar continuidade à história da Ventania e da Sofia!!!

sexta-feira, 8 de outubro de 2004

EU E A LUA

Amores escondidos, de que ninguém fala! Porque só a nós pertence!
Há qualquer coisa de excitante no mistério que nos rodeia!
Há aquele meio sorriso, que todos estranham, mas que só nós sabemos o significado!
Há um novo significado para tudo o que fazemos; há uma inveja mal-contida que ignoramos, porque estamos felizes!
Contudo, há coisas de que nunca falamos, nunca deixamos a descoberto, porque não temos a certeza de que isto foi, é e será apenas um momento!
Como disse um escritor - esqueci o mome - "O sol quando nasce é para todos"!
Mas eu acho que a lua também - brilha na escuridão da noite, esconde as mágoas e a solidão.
Hoje, LUA, é a tua vez de me animares!

quinta-feira, 7 de outubro de 2004

CHEIRO A CHUVA

Cheira a chuva e até as árvores estremecem!
Como se pressentissem que a chuva as vai sacudir, massacrar, dilacerar os troncos e as folhas toda a noite!
Na linha do horizonte, há uma nuvem espessa, escura que o vento está a trazer, lentamente, para terra. O céu perde a cor e parece ficar coberto de cinza - dum branco opaco, opressivo que um relâmpago mais atrevido começa a rasgar!
Sem qualquer aviso, a nuvem passa e o céu volta a ficar azul, mas um azul tão carregado, tão dorido que se fica com medo.
A chuva ultrapassa a fronteira e começa a fustigar, com força, com determinação, tudo o que encontra pela frente!
Afinal, as árvores tinham razão - a chuva vai provocar estragos, em tudo e em todos, a noite inteira!

terça-feira, 5 de outubro de 2004

AMOR, AMAR

Amar é:

Incerteza?


Saberás que não te amo e que te amo
Pois que de dois modos é a vida,
A palavra é uma asa de silêncio,
O fogo tem sua metade de frio.
Amo-te para começar a amar-te
Para recomeçar o infinito
E para não deixar de amar-te nunca:
Por isso não te amo ainda
Amo-te e não te amo como se tivesse
Nas minhas mãos a chave da felicidade
E um incerto destino infeliz.
O meu amor tem duas vidas para amar-te
Por isso te amo quando não te amo
E por isso te amo quando te amo

Pablo Neruda – Cem Sonetos de Amor


Ou conhecimento total?

“Quando o meu pai pede à minha mãe uma chávena de café e ela bebe um gole para ver se está ao gosto dele”. (dum inquérito feito a crianças entre os 5 e os 6 anos sobre o que pensavam que era o amor).

Somos heróis? Ou bodes expiatórios?
Ultrapassamos a velocidade da Luz?
Ou ficamos presos no gelo da desilusão?
Podemos viver sem ele? Ou é o centro de tudo?

Já fui um bode expiatório; já fui uma heroína! Arrisquei; perdi e ganhei! Cantei de “galo” e escondi lágrimas amargas na escuridão. Por causa de promessas, sem sentido, feitas no ar!

Amar é:

Já não saber como era a vida antes de o descobrir!

sábado, 2 de outubro de 2004

PRETO - A COR

Porquê o preto e não outra cor? Porque é que o preto é o símbolo do erotismo ou da pornografia?
O preto é uma cor presente; combina com tudo, dá forma a todas as mensagens e nada tem a ver com frieza, desdém ou mau agoiro.
Pelo contrário: é capaz de “acender” paixões, ter o papel principal numa sedução, que se quer perfeita. O preto faz realçar a pele, o brilho nos olhos, a vida no cabelo e faz com que o sorriso fique ainda mais aberto. O preto é simplesmente, uma cor “sexy”, porque nos nos valoriza.
Aliás, ser ou não sexy, não se define pela cor; é um estado de alma! Cada um deve procurar o que o faz sentir-se sexy! Acho que é um bom conselho e quem diz que o preto é a cor do pecado, não entende nada. O preto é um mistério que se deve desvendar – mesmo eu que não a visto!

DIVAGAR

Divago e não encontro sentido nas palavras!
Talvez seja por causa do Outono e das cores ricas que espalha no vento – o avermelhado e o dourado!
Talvez seja a mesquinhez das pessoas, que me desilude!
Talvez seja o silêncio, que não entendo e de que me afasto!
Talvez porque talvez é uma palavra que encerra muitos significados e que não gosto!
Talvez porque ache que um simples sim ou não seria mais apropriado!Mas, e já que todos se escondem por detrás do “talvez”, vou continuar a divagar até encontrar um sentido!!