quinta-feira, 7 de outubro de 2004

CHEIRO A CHUVA

Cheira a chuva e até as árvores estremecem!
Como se pressentissem que a chuva as vai sacudir, massacrar, dilacerar os troncos e as folhas toda a noite!
Na linha do horizonte, há uma nuvem espessa, escura que o vento está a trazer, lentamente, para terra. O céu perde a cor e parece ficar coberto de cinza - dum branco opaco, opressivo que um relâmpago mais atrevido começa a rasgar!
Sem qualquer aviso, a nuvem passa e o céu volta a ficar azul, mas um azul tão carregado, tão dorido que se fica com medo.
A chuva ultrapassa a fronteira e começa a fustigar, com força, com determinação, tudo o que encontra pela frente!
Afinal, as árvores tinham razão - a chuva vai provocar estragos, em tudo e em todos, a noite inteira!

1 comentário:

Tribunal_Beatas disse...

Olá Marta! Obrigada pelo seu comentário no nosso blog. Contamos com a sua presença mais vezes ;)
Gostei muito deste post. A chuva pode ter efeitos incríveis, mas venhamos e convenhamos: está a fazer muita falta. Não me lembro de ter visto um mês de Outubro tão quente! Tenho saudades da chuva. Não dessa, que arrasa com tudo o que encontra, mas da chuva que cai paulatinamente, deixando um leve cheiro a terra no ar. Fantástico...
Beijinhos