domingo, 14 de fevereiro de 2010

VEM NUM GRITO

VEM,

grito

Não sei se é sonho

Ou se estou mesmo

a gritar...

Sinto a tuas mãos

em todos os recantos

do meu corpo

Descem,

sobem,

frenéticas,

provocadoras,

sedutoras.

Cedo,

dispo-me.

Fico nua

e o teu olhar

encanta-me.

Não me tocas e

endoideço.

Quero-te.

VEM

Mas não sei

se me escutas.

Continuas

a olhar-me.

Incapaz de te ler,

de saber

o que queres,

tapo-me.

Fico

envergonhada.

Baixo a cabeça

e sinto a tua boca

na minha nuca.

Acordei

com o desejo

que não soube ler

no teu olhar


Foto de Marina Segura "Eyes"
Textos protegidos pelo IGAC -
Cópias, totais ou parciais,
proibidas
Texto colocado no WAF e no FACEBOOK
e enviado para o desafio do blog "Porosidade Etérea"

7 comentários:

Graça disse...

Já o tinha comentado, por lá. Continuo a achá-lo magnífico :).


Beijo de carinho para a tua semana. Até já.

Secreta disse...

Grito mudo que rasga todo o ser!
Beijito.

Nilson Barcelli disse...

O olhar nem sempre transmite o que vai no coração.
Há, até, o olhar tímido...
Querida amiga, gostei imenso do teu poema. Achei-o muito bom e sensual.
Boa semana, beijos.

alice disse...

a prova de que o desejo nem sempre é legível em palavras, querida marta. um beijinho.

Jortas disse...

Acordei com o desejo que não soube ler no teu olhar.
Foi um despertar bom de certeza...
Um bom dia

Daniel Costa disse...

Marta

Ha muito não dúvida da qualidade da tua poesia de que gosto. Gostei muito do presente poema. Há uma faceta em tavez não tenha reparado bem: Na bonita sensualidade que acentua a suavidade, que costumas imprimir.
Beijos
Daniel

Sofá Amarelo disse...

O melhor que os desejos têm é que se podem... repetir... repetir sempre que se queira.O jogo da sedução pode começar e ser interrompido e recomeçar... e da vez seguinte terá sempre mais encanto, mais recantos por descobrir, onde as mãos e o olhar são apenas aprendizes dos sentidos...

O melhor da Vida são os momentos que se podem repetir... vezes sem conta...