terça-feira, 14 de setembro de 2010

NAS PORTAS DA MINHA ALMA

É nas portas da minha alma
que te encontro.
É aí que perco o Norte
do meu desejo e discurso
no teu suor.
Com a minha perna a procurar a tua,
a tua mão na minha nuca,
os meus olhos ocultos no teu olhar.
Não sei nada,
sinto tudo.


De Karina Andrea Battagliero (via Facebook através de João Mateus)

7 comentários:

Sofá Amarelo disse...

às vezes não é preciso saber nada, mas sim sentir tudo porque isso sim permite encontrar o que se procura nas portas da alma.

E o Norte é já ali, porque o desejo dilui-se por todos os pontos cardeais!

rouxinol de Bernardim disse...

Há portas que são divinais... ou celestiais...

legivel disse...

... quando a perna dela tocou a sua, ele baixou suave e lentamente a sua mão, da nuca até ao pescoço de Laura Linda e começou a apertar com firmeza.
«Não sabia nada mas agora percebo tudo: tu não desejas o meu corpo. Queres apenas a minha alma. Mas se me matas não terás uma coisa nem outra e tens de ir ba... ter a... ou... tra... pooo... r... taaaa...»
Ele deitou o corpo flácido e frio na cama e disse para com os seus botões «Da próxima vez trago comigo uma bússola: detesto ficar sem saber onde se situa o Norte das mulheres que vou matando... »

Beijos e sorrisos.

legivel disse...

"... das mulheres que vou matando por aí." era assim que eu queria acabar o comentário mas fiquei tão assustado com o que escrevi que me faltaram as palvras restantes.

Fernando Santos (Chana) disse...

Oi Marta, belo poema...Espectacular....
"Dificuldades reais podem ser resolvidas; apenas as imaginárias
são insuperáveis."
Theodore N. Vail


Beijos

avlisjota disse...

Olá Marta

Até podes perder o norte...quem não perde?...
Mas não percas o Porto! :-)

Lindo o teu poema, os sentidos ajudam-nos a saber muito...

Bjs e bom fim de semana!

Também podia escrever, Bom fim-de-semana! Mas a primeira opção é mais prática e hoje já falei muito. :-)

José

Joao norte disse...

Bonito poema