segunda-feira, 1 de novembro de 2010

HERÓIS ESQUECIDOS

O corpo, tenso, desobedece-me.
Enrosca-se-me e suspira
palavras que não conheço.

Fica alheio às palavras
sobre o Vento,
sobre as Sereias,
e sobre a agonia dos pobres marinheiros.

Na verdade, o que me apetece fazer
é deambular pelo Vento,
escorregar
pela vela erguida de sabre na mão,
perseguir sem dó nem piedade
quem apenas procura
a fama e a fortuna.

Espanto-me, pois não falo
de uma coisa nem doutra.
Somente pequenas histórias
sobre heróis esquecidos -
sereias, piratas, marinheiros....

Mais do que isso,
as palavras enrolam-se,
porque o meu corpo não deixa.

CONTINUA


Foto de Graça Loureiro "Sing me a lullaby" (Olhares)

7 comentários:

AC disse...

Às vezes a razão trava terríveis lutas com a emoção.
Não, não são lutas de convés, de sabre na mão. São apelos profundos, quase irresistíveis, que nos impelem para lá de nós...

Beijo :)

Vieira Calado disse...

Vamos aguardar...

Saudações poéticas

JPD disse...

Excelente!!
Bjs, Marta

Sofá Amarelo disse...

São os verdadeiros heróis aqueles que deambulam anónimos pelo vento e trazem na aragem dos dias e das manhãs as histórias tão esquecidas como eles...

Fragmentos Betty Martins disse...

.________querida Marta




sempre


o saber______o teu saber
.o sentir.o.tocar.com as palavras...





_____________///






beijO______ternO

Secreta disse...

hm...
:)

avlisjota disse...

No deambular do vento as palavras enrolam-se...
Fica bem!

José