sábado, 11 de dezembro de 2010

ABERTA

Deixei o meu poema inacabado...
Que a chuva me distraísse
e me confundisse....

Com o cinzento escuro do dia,
com a tristeza espantada no olhar das gaivotas....

Á espera de uma aberta....

Para voar em direcção ao mar,
em rimas improvisadas
e desejos inflamados.....




"Beleza violenta" , foto de Carlos Pereira (Olhares)

7 comentários:

Sofá Amarelo disse...

E depois da chuva há sempre uma aberta... que muitas vezes até pode ser manipulada por nós... é que muitos dos poemas inacabados por vezes apenas precisam de uma aberta!

uminuto disse...

mesmo em dias de tempestade é relaxante o voo até ao mar

um beijo

Daniel Costa disse...

Marta

Como sempre este teu poema, sendo profundo, é magnifico. Sabes que sou admirador da tua poesia.
Beijos

Nilson Barcelli disse...

É no aproveitar das abertas que está o ganho... tal como ler os teus magníficos poemas.
Gostei imenso, querida amiga. As tuas palavras são sempre belíssimas.
Boa semana, beijos.

AC disse...

Marta,
Na vontade da aberta se reflecte o nosso apego à vida...

Beijo :)

Secreta disse...

Poemas inacabados, mas perfeitos...

avlisjota disse...

Esperamos sempre uma aberta, para voar...
Seria bom (talvez) abrirmos o nosso voo.

bj