sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

O PORQUÊ DE TUDO

Conheço todos os teus segredos.
Sei o porquê de tudo.

Por isso,
quando não souberes sobre o que escrever,
escreve sobre mim.

Algures entre o Vento e o Mar,
entre a magia do dia e o brilho da noite,
reescreve-te,
reescreve-me...

Sem esconderes as palavras,
mesmo quando tudo parece desmoronar-se....



Foto de Paulo Dias "Intemporal" (Olhares)

10 comentários:

AC disse...

Oh, Marta, que pequena maravilha!
(Será que há resposta ao repto?)

Beijo :)

Sofá Amarelo disse...

Nada se desmorona quando o Vento e o Mar estão algures entre a magia do dia e o brilho da noite, porque não é preciso esconder palavras quando se sabe tudo sobre o reescrever dos movimentos e das sensações!

uminuto disse...

é aí que precisamos de um ombro amigo...quando tudo parece desmoronar-se
um beijo e boas Festas

Nilson Barcelli disse...

Magnífico poema, como sempre.
Gostei muito.
Querida amiga, desejo-te um Feliz Natal.
Beijos.

Daniel Costa disse...

Marta

Bom poema, para um interessante conselho.
Beijos

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Marta, belo poema...Espectacular....
Votos de Feliz Natal....
Cumprimentos

Patrícia disse...

Marta,
O que eu gosto nos teus poemas, é a profundidade da palavra que impões em todas as composições. Todas essas sensações passam para os leitores. Parabéns.

Beijinhos
Patrícia

Secreta disse...

Porque é quando tudo se desmorona, que mais precisamos de alguém do nosso lado.
Beijito.

Carmem L Vilanova disse...

Minha amiga mais querida,

Passo hoje para deixar-te um poeminha de Natal, que sejas sempre feliz e no ano que se inicia possamos seguir juntas nesta caminhada!

"Natal...
É o mês de confraternização Agradecimento pela vida
Bênçãos ao filho de DEUS
União, amor, reflexão!

Que o bom velhinho traga um saco cheinho de paz,
harmonia, fraternidade
Que o gesto de ternura se estenda de várias mãos
Que ao som dos sinos
O amor exploda em toda direção!

FELIZ NATAL!"

UM ANO NOVO DE FÉ E SUCESSO!

Beijos, flores e muitos sorrisos!

avlisjota disse...

Mesmo quando o fim é tudo o que se escreveu. Relembramos a palavra e reescrevemo-la ao som do vento, inalando a maresia que acolhe a magia da noite e se esconde nas palavras que perecem desmoronar-se...

Muito lindo marta, parabéns!

bjs e continuação de boas festas!

José