quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

INFINDÁVEL

Esta noite,
procuro o exótico no banal.

As cores quentes na noite fria
e o meu suspiro é a linha
imaginária do horizonte.

Infindável....



Foto do albúm de João Mateus, "Women another vision" (via Facebook)

8 comentários:

AC disse...

Sensações boas produzem palavras inspiradas...

beijo :)

alice disse...

:) começaste como eu a importar as belas imagens que encontramos no facebook para os teus poemas :) e que seja exótica a tua noite, marta! um beijinho*

JPD disse...

Belíssimo.

É na busca incessante na variedade, seja exótica ou não, que se encontra a possibilidade da alegria e exaltação.

Bjs, Marta

Sofá Amarelo disse...

O exótico está sempre no banal... desde que queiramos!

As cores quentes estão sempre mesmo nas noites frias... desde que queiramos!

O horizonte é sempre a linha que... imaginamos!

Jacarée disse...

"Esta noite,"
Espero q encontres dentro do teu caloroso coração o compasso da alegria... muito brilho... amor, repleto de bonança...
Que se espalhe e irradie infindávelmente a tua alma.
Bjs

JB disse...

E que haverá para lá desse horizonte onde o suspiro é a gota da inspiração?

Beijinho

avlisjota disse...

É tão agradável ver cores e quando estas se misturam ao som da música, produzem matizes suaves e uma contemplação (como que divina) que nos faz sair do nosso corpo e encarnar o momento. O Momento fugaz e colorido do som...!

Bjinhos Marta

José

avlisjota disse...

Comentei este poema «Infindável» a ver e a pensar no poema «falando de Debussy» Se bem que, continuando nas cores é só imaginar a linha do horizonte, o contraste das gamas... que o exótico se transforma num suspiro infindável... :-)