segunda-feira, 17 de julho de 2006

LEMBRANDO OFÉLIA



Meia a dormir, estendo o braço para pegar o copo....

Que, teimoso, tomba e rola para o chão

Vazio,

Testemunha silenciosa das minhas excursões até ao frigorífico...

E de eu ter, disfarçadamente deixado cair gotas de água,

Gelada nos pés, na tentativa vá de os arrefecer....

Mesmo a sensação de frescura do duche desaparece ao abrir a porta,

recebendo em cheio o impacto de uma frente tropical...

Que se desloca, sempre à minha frente, gozando com

O meu ar cansado, a minha pele brilhante e suada e

Os lábios entreabertos e permanentemente secos..

Lembrei-me, então de Ofélia,

A heroína romântica que enlouqueceu de amor e

norreu tragicamente,

afogada num lago, num riacho rodeada por flores......

onde desejava estar, agora,

para me refrescar, dar asas ao meu lado romântico e pensar que estou a

representar HAMLET, talvez pouco adequada ou não,

numa noite quente de Verão....

7 comentários:

Maresi@ disse...

Profundo este texto...palavras fortes e qu despertam emoções fortes...
Vim agradecer suas palavras tão genis no meu humilde recanto
e visitar o seu canteiro...
Voltarei breve...convite

beijo Maresi@

125_azul disse...

Hamlet? Ai, ai, ai. Diz-me que é do calor! Hamlet não combina com felicidade... beijinho

descamisadoo disse...

Sim, sonhos de uma noite de verão, verao como duas orelhas asininas podem refrescar um coração romantico... e nem um tresgo malvado nos pode impedir de ser felizes nos braços e quem nos merece... beijos orvalhados, hummm

Teresa Durães disse...

com um pouco de sorte os meteriologistas acertam e a temperatura baixa...

Teresa Durães disse...

*meteorologista

(um comentário com erro e tudo.. credo!!!!!)

Onde deixou o seu não passa de uma história de uma Ave qualquer :)

Não a minha pessoal!


Entretanto a temperatura baixou!

Teresa David disse...

Este texto poetica tem o condão de se fazer ver, o que nem sempre é facil de conseguir, mas tem também uma melancolia lânguida subjacente que se torna inquietante. Mas que é belo é!
Beijos
Teresa David

Su disse...

Querida, n conheci a "Ofelia", mas tu, tu n és de modo algum uma personagem inventada, tu existes toda á flor da pele de ser completamente poeta!