sexta-feira, 21 de julho de 2006

HISTÓRIAS COM O VENTO



Com as mãos, faço uma concha

Ou será uma borboleta?

Não sei; apenas apanho a água,

com a qual refresco a minha boca sequiosa

E que, audaciosamente

depois, se escapa por entre os dedos e se infiltra no meu decote

e desce,

lenta, tão lentamente até aos seios...

Rio, olho sorrateira em volta,

para ver se testemunhas de tal acto há e continuo a andar...

Para onde?

Acho que vou ao sabor do vento...

Malcriado que

continua a brincar com a minha saia,

levantando-a para além dos limites da decência.....

3 comentários:

Su disse...

desculpa, mas tenho q te dizer... uma boa noite de sexo resolve tudo! exista ou n exista homem, inventa!

:)sou uma doida descarada... pq n?

beijo grande!

e bom fim de semana!

Caçadora_de_sonhos disse...

ai que malandro o vento. Mas sabe sempre bem num dia de calor, aparecer uma brisa mais atrevida

Ant disse...

Ainda tens a saia? Mas o que se passa com essa malta do porto?
A su anda lá perto, anda.
Beijo