quarta-feira, 15 de fevereiro de 2006

IMPRESSIONISTAS, FOTOGRAFIAS E CHUVA


Afinal, não estava a olhar para o chão, pois vi o livro sobre os Impressionistas.
Foi, por isso com prazer que me sentei com o livro no colo
e com as costas bem encostadas,
folheei e redescobri os quadros
dos homens que revolucionaram a arte no século XIX.
Uma arte que estava estagnada,
como tantas outras coisas, no tempo,
sem cor e luz.
Monet
- porque é o meu pintor favorito –
reproduziu o movimento, a claridade
e ao olhar
para o quadro “Women in the garden”,
parece que sentimos
os passos leves da dama que foge, o ondular da seda do vestido.
Ou as bailarinas de Degas, com os tutus e as fitas!
Ou o realismo das chamadas “naturezas mortas”!
E isto (vá lá Deus saber porquê!!) lembrou-me as minhas fotografias,
que guardei algures, provavelmente estão
esquecidas dentro de um livro.
Como já encontrei a Máquina, o programa de fim-de-semana promete ser aliciante.
Resta saber se o tempo mo permitirá;
é que a chuva,
malandra e traiçoeira
“bateu-nos” à porta
e quando aqui começa a chover, é difícil prever quando acaba.
Malvada, nem me vai deixar ver a lua,
porque trouxe com ela
um nevoeiro espesso, fechado, ameaçador
e o único refúgio é realmente o meu quarto.

1 comentário:

Peter disse...

Sempre gostei muito dos Impressionistas, bem representados no "Musée d'Orsay", em Paris. Já publiquei no blog algumas fotos de telas que consegui lá fazer sem flash, nomeadamente "A sesta", de Van Gogh.