sexta-feira, 9 de junho de 2006

LINHA DO HORIZONTE



Olho para a linha do horizonte e pergunto-me se é lá o fim do mar..........

Caminho lentamente, deixo que o mar conquiste primeiro a pele, circule pelas pernas, faça um remoinho no umbigo, chegue ao peito e beije o pescoço.......

Deito-me para trás, fecho os olhos e deixo que o mar me leve...
não importa para onde.......

Sinto-me leve, parece que o meu corpo já não me pertence.....

Voo com as gaivotas, levanto-me com o sol, barafusto com o vento, mas não chego à linha do horizonte, porque o.....

Mar não tem fim......................................

4 comentários:

Ant disse...

Vaos lá a ver se o mar está de feição...
E tanta leveza...
Beijo

Betty Branco Martins disse...

Querida Marta

"As palavras
há muito que são íntimas
no pulso da manhã
e acesas
no interior das vogais
com o tempo
acabaram por aprender a ler
a própria sede;

como o silêncio
volta pontualmente à mesma hora
ou o limiar da água
traz consigo o verso

com o tempo acabaram por ficar dóceis
como a estrela do primeiro sonho"...

Para ti com carinho

Beijinhos

Bom fim de semana

Pitucha disse...

Olá Marta
Tenho andado um pouco ausente porque o blogger anda meio esquisito e quando consigo aceder não consigo comentar.
O bom tempo chegou aqui, por fim, e eu vou aproveitar para festejar os meus anos com um barbecue.
Aparece!
Beijos

AS disse...

O mar sempre nos fascina!

Um beijo...