quarta-feira, 1 de março de 2006

GARGALHADA RARA



Ontem ri-me tanto ao ler a coluna do Ricardo Araújo Pereira na Visão que a minha Mãe teve que me tirar a revista para perceber a razão daquela gargalhada, rara, mas genuína.
Porque quando me rio, rio-me a sério, com gosto; apenas uma pequena desvantagem – choro também.
O artigo está muito bem escrito, cheio de humor, mas um humor elegante e nada ofensivo.
A frase que desencadeou o meu ataque de riso é muito simples e à primeira vez, até pode passar despercebida.
Diz que está sempre a dizer às filhas para "fazerem o que quiserem, mas que não casem nem com sportinguistas nem com jornalistas do 24 horas." Acrescenta, depois muito sério que "...embora ambas tenham menos que 3 anos..." e continua a fazer a sua análise dos factos que têm "abalado" a comunidade de jornalistas.
O que me levou a dizer "ao que uma filha está sujeita", frase que utilizo muito para brincar com os meus Pais.
Mas ontem foram eles que me animaram, acompanhando-me na brincadeira, porque sentem que estou preocupada, aborrecida, triste, mas, e já que eu não quero dizer nada, eles respeitam-me o silêncio.
O que é menos uma coisa a preocupar-me!

1 comentário:

Peter disse...

"não casem nem com sportinguistas nem com jornalistas do 24 horas"

Mas que descriminação é esta?
E mais: que história é essa de me equiparar a um jornalista do 24 horas?

LOL