quarta-feira, 29 de agosto de 2007

ACLAMAR










Hoje…


O vento lapida as horas…



Por entre as palmas das minhas mãos abertas em concha…



Escorregam……….


Escorrem…
qual tinta, fresca, que a chuva,
em desenhos psicadélicos,
se entretém a manipular….



Em arte, aclamada vigorosamente por uns…


Severamente criticada por outros…



Secreta inveja…pela inovação…


Ou felicidade por


……… a barreira da indiferença se ultrapassar……………….



P.S.: Imagem tirada da Net

7 comentários:

125_azul disse...

Secreta inveja...mas pode ser doce.
Dia feliz

.:mÁrCiO:. disse...

Nunca deixes fugir aquilo que já conquistaste...
... mesmo que outros o fazem de tudo para conseguirem!

Eremit@ disse...

e o ciclo das horas continua..
«e o vento lapida as horas...»
este verso é forte e determinante no todo do poema.
Escreve muito bem. Sem excessos mas sabe passar as emoções e os pensamentos, transformados para nós em sensações.
Fraterno abraço

Alexandre disse...

Secreta inveja das horas que passam lapidares em ponteiros psicadélicos, sob artes aclamadas, sempre aclamadas... porque as mãos estão sempre abertas em concha... Lindo, Marta!!!

Muitos beijinhos!!!

Amita disse...

Lindo, Martinha.
Os complexos meandros da Arte...
se inovadora, de aceitação é complicada... mas que interessa quando o coração a dita...
As auroras iniciadas num ponto mínimo que timidamente se alonga e cresce a sua estrada, têm mais brilho, mesmo quando o vento as toca em horas lapidadas.
Um bjinho grande, amiga, e muita luz no teu caminho

Amita disse...

Esqueci-me de te dizer que em Setembro a minha casa entra em obras. Por quanto tempo ainda não sei e prevejo a quase impossibilidade de uso do pc (e se digo "quase" é porque a esperança é a última a morrer,não é? :))
A ver vamos...
Se não puder vir aqui no dia 28, aqui ficam com muito carinho um grande abraço e um doce sorriso.
Muita Força, Martinha, e muita Luz

Teresa David disse...

A permanente sensibilidade articulada em tão belas frases poéticas.
Bjs
TD