quarta-feira, 29 de novembro de 2006

TARDAS


- Resposta ao desafio do Pierrot (www.heartpierrot.blogspot.com) -

Lambo a pata demoradamente........


Tardas em aparecer.........

Há dias em que não apareces mesmo.....


Nunca o corrimão esteve assim...

Com a tinta a descascar, solto...

As paredes com manchas de humidade...
O chão sujo e lascado.....

Lembro-me como assobiavas bem,

Como rias alto...

Muitas serenatas fazias.....


Primeiro à lua, depois à tua mulher

E depois à tua filha...........

Às vezes, excitado, eu ladrava, numa vã tentativa de participar e tu, rindo,

dizias:

"Cala-te Faísca, estás a desafinar..."

Um dia, a tua filha trouxe esta cadeira desengonçada e tu começaste a

passar as tardes, aí sentado...


Não falas, não assobias, não ris, nem uma festa me fazes......

Olhas sempre em frente...........

E, o teu olhar está sempre vazio.........

Nunca mais...

Serenatas à lua fizemos...........

Ai, como tardas em aparecer.................

4 comentários:

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Espero que volte, querida Marta :) Beijos beijos!

Pierrot disse...

Vou escrevre algo que já tinha escrito lá no blog e noutro poruqe a sensação foi esta mesma:

Que arrepio me provocaste.
Eu não quero acreditar que o Benjamim já não volta...
Sou como o Faísca, um irreverente, um renitente, um teimoso...mas que um dia terá o seu final feliz... que um dia terá a sua recompensa pelo bem que sempre faz...

Lindo Marta
Aqui ou lá, tanto faz...
O que interessa é que ficou lindo.
Bjos daqui
Eugénio

Alexandre disse...

Impressionante, Marta!!!

Nunca ninguém se lembra do sofrimento dos animais - em especial os cães, que têm uma sensibilidade muito grande - que ficam sózinhos dias a fio, choram por companhia, por uma festinha, por um carinho, e mesmo que não tenham isso ao fim do dia estão sempre ali disponíveis, contentes, prontos para servirem de frustração aos donos ou aos pseudo-donos...

É por isso que não quero ter ca~es, por gostar tanto deles e respeitá-los! Para mim são como nós, e nós não deixamos uma pessoa sozinha em casa e não escorraçamos essa pessoa quando estamos com a neura... má sorte ter nascido cão! Há pessoas que nem um abanar de cauda merecem...
Marta, lindo este post e sempre, sempre actual!!!

Beijinhos!

juka disse...

Olá Marta!

Cheguei aqui através do blog do Pierrot.
Adorei simplesmente esta tua postagem.

Voltarei mais vezes.