quarta-feira, 8 de novembro de 2006

EM PAZ

Refugio-me novamente no teu exotismo....

Fala a sensualidade camuflada e a mente liberta-se........

Penetra noutra galáxia, perde-se por entre os labirintos do equilíbrio...

De que o corpo usufrui........

Torcendo-se, unindo as palmas das mãos, entrelaçando os dedos
entre os planetas e as estrelas......

A música, sempre a crescer....
Envolvente.....
Libertadora...

O final do Bolero de Ravel.........
Encontra-me sentada numa posição confortável, de olhos fechados, a entoar o mantra da Paz.........
Pois é,
em Paz me sinto, apesar de tudo...........


P.S.: Esta é a resposta ao meu desafio do post "Crescendo" e agradeço a todos por responderem.

7 comentários:

Pierrot disse...

Aaaahhh, eu sabia, só que não disse ó Sô Professora kkkkk!

;-)

Traquinisses à parte, palavras escritas com muito encanto.
Parabéns e inda bem que tás em paz...
Folgo por ti!

Bjos daqui
Eugénio

Alexandre disse...

A música faz milagres. Quando é sentida, absorvida, como foi o teu caso ao ouvires o Bolero de Ravel. Agora transformar isso tudo num poema, em palavras fenomenais, aí sim, só está ao alcance de quem consegue dizer as coisas com sinceridade e... com verdade!
Parabéns... Espero sempre pelo próximo post mas agora vou ficar a absorver este...
Beijinhos!

Alexandre disse...

Cá estou eu de novo só para formalizar o desafio/sugestão que tenho para ti no último post.
Beijokas!

125_azul disse...

Era o Bolero, Rainha suprema! Hummmmmm, está um "ar" novo por aqui...
Muitos beijinhos

chuvamiudinha disse...

O teus posts são maravilhosos! Adoro!

Peter disse...

Marta, há quase 24 h que andamos às voltas com o blog. Parece que já está afinado e tu e o ANT foram as primeiras pessoas com quem contactei.

Palpitou-me que era o Bolero de Ravel.

Parece que os meus artigos no blog estão influenciar a tua escrita: galáxias, planetas ...

Beijos e abraços,
Peter

o alquimista disse...

Paz...paz...na báia do silêncio, apenas se ouve o canto dos pássaros...


Doce beijo