quinta-feira, 31 de agosto de 2006

RÉPLICAS PERFEITAS

Uma “branca” tive e instintivamente, viro-me para o mar………………
À laia de galanteio, o mar atira-me uma grinalda de algas que enrolo no meu pulso doente….
Para atenuar a dor que persiste, irritante, em me controlar os movimentos….
As algas transformam-se em réplicas perfeitas, talvez das veias e dos tendões que, freneticamente se cruzam aqui dentro, lutando contra um inimigo comum……………..
“O que é que me queres dizer?”
“Que devo parar de escrever?”
Lanço as perguntas à brisa, e como resposta, o mar espalha-se numa onda mais forte que acorda a areia e arranha os rochedos…….


P.S.: Pensei realmente em fechar o blog, mas NÃO o vou fazer.
Vou mudar o tipo de letra, escrever a negrito, intercalar estilos, mas fico....

5 comentários:

Ant disse...

Pois ficas. Ai isso é que ficas.

Teresa David disse...

Porquê fechar o blog se até tens talento. Este texto tem laivos de surrealismo, corrente literária que tanto gosto, e as algas fazem tão bem ás dores dos ossos!
Bjs
TD

anamoris disse...

Não fechas nada!
Eu gosto de te ler.
Muda o que quizeres, mas fica.
Beijos

o alquimista disse...

Ficas e pronto, sou eu que te ordeno com todo o carinho do mundo, não te admito que me prives da tua doce companhia...

terno beijo

Su disse...

Nem penses em me virar as costas!
Isto liberta-te os sentidos, da-te asas, solta-te... faz-te bem escrever, claro! N sentes?

NÃO TE VÁS DAQUI!!!!

Mesmo q n venha, sempre gosto de te ler!

E qd venho espero sempre te encontrar mais feliz...
:)

beijo nesse coração teimoso!