segunda-feira, 9 de janeiro de 2006

HOJE

Hoje o texto que tenho que traduzir para Francês faz a seguinte pergunta:

“Há ou não há uma escrita feminina?”

A verdade é que nunca pensei nisso – mas considerando todos os aspectos da questão, talvez possa dizer que sim, que os meus textos são femininos, respiram quando eu respiro, choram quando eu choro e riem quando eu rio.

E, agora mais do nunca, pois estou a ceder aos sussurros do meu coração e a apaixonar-me.

Não a pensar que me estou a apaixonar; a apaixonar-me mesmo, a deixar que os meus sentidos se misturem, que o coração fale mais alto e não me deixe recuar.

Perante alguém que me está a conquistar, cada dia um pouco mais e eu fico apreensiva se o telefone não toca àquela hora e não o ouço dizer-me “Hello?”

1 comentário:

ignorantia disse...

Olá, Marta.

Escrita feminina, uma forma de escrita que tivesse de ser, necessária e comprovadamente, atribuída a uma mulher… Não estou lá muito inclinada a concordar que isso exista, como género separado. Em geral, desconfio de estereótipos como 'escrita feminina', escrita masculina', 'escrita lésbica', 'escrita de esquerda', 'escrita cristã', etc, etc…

Contudo, há formas de escrita (e de ver o mundo, de relacionar-se com ele, de relatá-lo) que me parecem ser vozes femininas, com grande evidência: Virginia Woolf, Carson McCullers, Fernanda Botelho, Emily Brontë, Anaïs Nin, Natália Correia, Agustina Bessa-Luís (que, se lesse isto, me chamaria talvez estúpida)...
O interessante é que nem sempre essas vozes que me 'soam' femininas, são de mulheres: Hermann Hesse, J.D. Salinger, Rabindranath Tagore, ALGUM Tolstoi …
Acredito que há algumas coisas que o feminino humano (geralmente, encarnado em mulheres) entende melhor. Nem sempre o narra (escreve, canta) melhor, porque me parece haver também, no lado desse 'feminino humano', uma facilidade de lidar com o silêncio, o calar, o ocultar, o deixar correr o mistério, deixar que a água surja noutro lado… O 'sentimento masculino', ao invés, tende à explanação, racionalização do mistério. Acho eu!

Desculpa o espaço gasto, apeteceu-me comentar o que escreveste.

Quando a uma pessoa apaixonar-se… é bom, dá-nos olhos novos para ver o mundo. E asas imortais. Quem se apaixona é, por esse pequenino facto, imortal.

Que estejas feliz.

marta, outra