quarta-feira, 10 de maio de 2006

VOTO DE SILÊNCIO



Lá em casa, fez-se o voto do silêncio.
Ainda tentei negociar com as partes, mas a minha proposta foi recebida com monossílabos e um olhar muito duro.
Fiz uma retirada estratégica, cantarolei para disfarçar a derrota e fui jantar.
Sozinha, observei atentamente o voo rápido das andorinhas, encantadas pela limpidez de um céu azul muito pálido, quase transparente.
Convidativo a grandes divagações, que não fiz – deixei-me ficar ali, também eu fascinada pela beleza do entardecer e pela alegria das andorinhas.
Desta vez, não desejei voar com elas – segui-as com os olhos, vi-as afastarem-se cada vez mais até só ficar uma visão, uma memória feliz.
Porque continuo a sentir que estou nas nuvens.................

3 comentários:

Ant disse...

Perde-se uma batalha com a esperança de vencer a vida na sua totalidade.
Beijo

AS disse...

Os entardeceres são sempre belos, as cores são mais quentes, é a hora do dia que as andorinhas preferem para os seus voos e encontros...

Um beijo

Ana disse...

Às vezes só mesmo concentrarmo-nos na beleza da natureza que nos rodeia ajuda-nos a perspectivar melhor as coisas que se passam na nossa vida!

Beijinhos