quarta-feira, 3 de maio de 2006

ATÉ AO LIMITE



Estou cansada de ter tantos "ontem"!!!
Há dias em que me apetece esquecer que o "ontem" existiu;
há dias em que o "ontem" foi tão agradável
que é um prazer passá-lo novamente pela memória ao "ralenti".
O que aconteceu em Janeiro já não tem impacto em Maio.
Claro que não te esqueci;
nunca te poderei esquecer, mas deixaste de ter
aquela importância que tinhas.
Ensinaste-me como viver o amor doutra maneira
– mais simples, mais leal, mais honesta e eu desfrutei ao máximo desse amor.
Por isso, olho para esse "ontem" com muito carinho, um pouco nostálgica talvez – pois ninguém gosta de "perder" –
mas talvez mais enriquecida,
num novo universo rodopiando à velocidade da luz!

7 comentários:

Ana disse...

Gostei muito do teu cantinho! Pois é, especialmente quando ontem foi feliz, é muito dífícil esquecê-lo. É difícil dizer que chegou a hora de deixar o passado no passado, parar de querer trazê-lo para o presente, viver o presente...

Vou voltar!
Beijinhos

AS disse...

O "ontem" não se esquece facilmente, sobretudo quando temos pela frente a insegurança do "amanhã"... mas a vida não costuma perdoar hesitações. E o amanhã é agora!...

Um beijo Marta

Pitucha disse...

Marta
Usemos o ontem para dele retirarmos lições para o amanhã...
Beijos

Miguel Girassol disse...

ontem é todos os dias, beijos

Carmem L Vilanova disse...

Amiga! Todos os nossos "ontens" existem para serem relembrados, no entanto, nao todos para serem REVIVIDOS... Lembramos sim, porque necessitamos recordar e tirar do nosso "ontem" a melhor liçao para o nosso "amanha"... Revivemos em nossa memória apenas quando foi bom, para sentir, apesar da distância, o gostinho do prazer sentido, da alegria vivida, do bem que nos encheu alma, corpo, mente e coraçao... Há que reviver todos os bons "ontens"... os outros... há que relembrar apenas!
Muitos beijinhos para ti, amiga!

Ant disse...

Os ontens são sempre as nossas referências, para o melhor e para o pior. A falta dos ontens é que nos deixa à toa.
São a posibilidade de saborear o hoje, não é?
Beijo

lazuli disse...

plagiando a Pitucha, usemos o ontem para dele retirarmos lições para o amanhã.
A vida continua.

Ninguém é dono da sua felicidade, por isso não entregue a sua alegria, a sua paz, a sua vida nas mãos de ninguém, absolutamente ninguém. Dizia Aristóteles.
(hoje ando nos plágios..)

Beijos para ti