quinta-feira, 4 de maio de 2006

PERFUMADOS

E, como "amanhã é outro dia" e "tristezas não pagam dividas", aqui fica uma rosa!
Uma rosa, de que eu gosto tanto e espero sinceramente que o seu perfume se derrame sobre quem aqui passe e que, bem sabem, está sempre convidado para o chá.
Perdoem-me as lágrimas, mas por vezes, a corrente de ar é tão forte que as portas batem com estrondo, os vidros das janelas estremecem e partem-se.
Os livros são derrubados, os cortinados ficam presos e entra poeira, que se espalha pelos móveis.
A chama da vela apaga-se, instala-se no escuro a confusão!
Quando se acende novamente a vela, não passou (para já) de apenas mais um susto!

3 comentários:

Ant disse...

E o perfume perdura para além do tempo, sempre.
E em nossa casa, mesmo no escuro, lá vamos descobrindo os cantos, até que a luz retorne.
beijo

Pitucha disse...

E que tal mudares de flor? Talvez essa te traga más recordações que apagam as chamas que persistem em resistir dentro de nós!
Olha, mando-te uma tulipa apanhada aqui no jardim do lado, ainda quentinha do fantástico sol que hoje está aqui.
Beijos

AS disse...

Rosa, riso de amor, do céu proeza
Que o meu sangue tornou vermelha
Num supremo milagre da natureza
Aos prazeres alados de uma abelha

Tão bela e terna a verdadeira rosa!
Ao desejá-la, desfolha-se o desejo.
E sentimos cada pétala desejosa
De se abrir inteira ao sabor dum beijo

Mas desfolhando esta rosa de paixão,
Que tudo me defina e me resuma.
Vou deixando caídas pelo chão
As pétalas do poema uma a uma...


Um beijo