segunda-feira, 5 de março de 2007

CHUVA

Com a chuva me despertas.........
Insistente, ruidosa......
Amedronta até a brisa......
Que, sempre por aqui vagueou....
Por vezes, em silêncio, respeitando-o.......
Outras, um diabo à solta.............
Grito...........
O tempo amaldiçoo.......
Breve dura a fúria.........
Rendo-me ao teu sorriso e sorrio também............

Percebo nesta chuva uma saudade
Na lembrança ancestral que me acompanha,
Do tempo em que viver a liberdade
Correndo inda criança na campanha.


Canteiros tão floridos, primaveras,
O teu sorriso manso a convidar...
Num claro sentimento já temperas;
Com sonhos e folguedos, nosso amar.


O vento do passado diz teu nome,
Os meus olhos fechados te percebem,
Aos poucos tua imagem vai e some,

Meus lábios são beijados e recebem

Do vento e desta chuva tal carinho,
Te sinto, meu amor, não vou sozinho...


Co - Autor Marcos Loures

5 comentários:

Pierrot disse...

Bem, conseguir fazer desta chuva uma obra dearte como este poema, é obra sem dúvida.
Está muito bem...
Bjos daqui e parabéns ao Marcos
Eugénio

Pierrot disse...

Desculpa, ao Marcos e a Ti claro está.
Bjos
Eugenio

Thunder disse...

Gostei deste poema. A chuva também me faz sentir saudades...por isso adoro dias cinzentos e chuvosos!Bjs

125_azul disse...

chuva traz mesmo saudades, memórias, cheiros... beijinhos

Betty Branco Martins disse...

Querida Marta

Estão os dois de PARABÉNS!

LINDO:))

...chuva__________quais cabelos de prata__________que se estendem suavemente em meus ombros...

Beijinhos com carinho
BSemana