sábado, 18 de junho de 2005

MUITO POUCO

Fui muito má!
Arrependi-me, claro está e pedi desculpa porque, realmente não eras a pessoa a quem eu devia dirigir a minha frustração e a minha indignação.
Fui gozada indecentemente e compreendi que qualquer coisa que dissesse serviria apenas para “atear” ainda mais a “
fogueira” de uma vaidade impossível de aceitar e compreender ou mesmo de aturar.
Porque não representa nada; é completamente oca!
Talvez devesse ter encolhido os ombros e “deixado correr”; respondido ironicamente quando me perguntaram porque é que determinada coisa não foi feita:
Porque o computador bloqueou e ninguém se preocupou em encontrar uma solução.”
Porque há uma solução para tudo, se a pessoa se empenhar; mas, não houve nada – apenas um sorriso irónico, um comentário hipócrita e no pensamento “Lá está a Marta a ter um ataque de nervos! Coitada!”.

A Marta foi contratada para executar uma determinada tarefa e só a pode fazer se tiver os instrumentos necessários para isso!
Parece que ninguém compreende isso….
Porque o meu bem-estar, a minha satisfação, a minha realização profissional não interessa…
Tinha que “descarregar” e embati com força na pessoa que nada tem a ver com o assunto.
Já pedi desculpa; nada mais tenho a fazer;
apenas fazer o melhor que posso com aquilo que tenho, que é muito pouco…………….

1 comentário:

Dora disse...

Olá Marta :-). Duvido que "aquilo que tens" seja "muito pouco", mas o que importa é que já pediste desculpa à pessoa e, se ela te conhece, saberá que és bem formada e que te vais esforçar para que este episódio não se repita. Não te angusties mais! Aproveita o domingo para fazeres algo que te agrade, por insignificante que pareça aos outros. Na segunda-feira, deves aparecer "como nova", bem diposta e confiante. É que há pessoas que quando pressentem o nosso sofrimento sentem alegria, tal o vazio das suas vidas...
Um beijo enorme para ti :-)