segunda-feira, 6 de junho de 2005

HISTÓRIAS

Não me lembro do título, mas sei que era um filme com a Diana Keaton, com a Meg Ryan e Walter Mathaw.
A história é sobre as relações entre 3 irmãs e o pai, que se encontrava num lar.
Uma era uma executiva de sucesso; a outra tinha o seu próprio negócio, mas tinha um marido e um filho para cuidar e a terceira aspirava a ser actriz.
Até parece ser a história da minha família, de qualquer família e talvez tenha sido por isso que me tenha lembrado do filme.
Mas a cena de que quero falar é a cena em que a Meg Ryan cede às pressões que lhe estão a roubar tempo para pensar e tratar de si e começa a chorar em frente de alguém, que a aconselha:

Às vezes, precisamos de desligar”
e a Meg Ryan desligou tudo, desde a televisão aos telefones e foi dormir com o filho, para sentir o calor humano que precisava.
Foi o que fiz este fim-de-semana – desliguei-me completamente do mundo; acabei por fazer nada do que tinha planeado!
Adormeci calmamente, sonhei com a brisa e com o mar, ouvi as novas histórias que tinham para me contar e quando acordei, já o sol andava a pavonear-se no outro lado do mundo.
Sentia-me calma, relaxada e pensei nos conselhos que os outros me deram – estou realmente a perder o meu tempo a preocupar-me com a mesquinhez dos outros.
E se acham que a prioridade máxima da vida é ser-se mesquinho, então que sejam!
Eu vou tentar não o ser - e, se por azar o estiver a ser, digam-me!!!

2 comentários:

Carmem L Vilanova disse...

Tem dias em que o melhor é mesmo, desligar-se de tudo e de todos... fazer um retiro interno, meditar e refletir sobre as coisas que nos passam... isso chega a ser um "exercício" indispensável em certos momentos!
Lembro-me de ter visto este filme, mas também nao me lembro do nome!
Muitos beijos, minha querida!

Dora disse...

Muito bem, Marta! É a esse tipo de "pequenas coisas" que me refiro quando digo para tu mimares, vês?
Um grande beijinho :-)