domingo, 17 de abril de 2005

NOTA

Quanto falo da Laura Esquivel no meu texto anterior (Tema Favorito), falo nela porque ela apresenta nos seus livros o amor como nós queremos que seja.
Caloroso, único, sem, contudo esconder a dor e as frustações que o cercam.
"Swift as desire" é um livro maravilhoso - uma filha que vai ao ponto de aprender o código Morse para poder comunicar com o pai, cuja doença está a impor limites e não o deixa soltar para o mundo exterior aquilo que ele mais ama - as palavras, a entoação que lhe damos, originando imensos canais. Tal como um rádio!
É por isso que lhe peço desculpa - porque cativei o amor que une aquele pai e aquela filha e quero aplicá-lo na minha realidade.
Porque eu também não concordo com o que o artigo da Visão (que não foi escrito pela Laura Esquivel) diz - o amor é muito mais que um "acto de egoismo"!
E se eu estiver a sofrer de amor, como já sofri, é a única forma de o apreciar e o procurar ainda mais.
Cito a Laura Esquival como uma referência positiva ao amor!

1 comentário:

Carmem L Vilanova disse...

Obrigada pelo esclarecimento, Marta querida!
O lado positivo do amor, este sim, vale a pena e deve ser sempre ressaltado!
Muitos beijinhos para ti e um lindo final de dia!