terça-feira, 18 de janeiro de 2005

SEM TÍTULO

Ontem, fui à procura da tal música "erudita" de que falei.
Só que encontrei vários CD's de música do Tom Jobim na FNAC e como tinha tempo e pouco sei sobre ele, resolvi ficar ali a ler e a escutar o que estava disponível.
Acabei por ouvir versões diferentes das mesmas músicas, mas não há qualquer dúvida que a minha favorita é a "ÁGUAS DE MARÇO" e cantada pelo próprio e pela Ellis Regina, dois "monstros sagrados" da música brasileira, já desaparecidos, mas que ainda hoje são uma referência para jovens músicos.
Esta canção falou-me sobretudo em esperança!
Fala na "luz da manhã", "na promessa de vida no coração", mesmo que se esteja no "fim do caminho".
Esperança em tudo - em nós, neste país que está completamente às avessas e perdido num mundo altamente competitivo, porque não sabe gerir e defender os seus interesses.
Eu não estou no "fim do caminho"; estou no "meio" - posso ainda competir, gerir e defender os meus interesses e os do meu País!
Resta saber se isso vai ser possível! Se encontraremos as pessoas certas para os lugares em aberto!

2 comentários:

Carmem L Vilanova disse...

Sao as águas de março fechando o verao... É a promessa de vida em meu coraçao... VIDA! Vida que recomeça a cada manha, e cheia de surpresas, ora agradáveis, ora nem tanto... Mas isso é que faz com que tudo seja tao maravilhosamente belo!
Beijos, Marta amiga!

Marta disse...

Tenho a certeza que tudo acontece no momento certo, com as pessoas certas, nem sempre damos conta, ou quando damos é tarde. Beijo