terça-feira, 15 de julho de 2008

TIQUETAQUE





A chuva….


………….Suspensa em pequenos


medalhões….


Nas folhas…


……..Nos beirais que as gaivotas


reclamaram para si…


Começam a ser lapidados pelo tempo….


Pelo tiquetaque do relógio….


A beleza do momento….


No meu coração….


……..no ritmo suave da minha respiração………


Desfaz-se quando atravesso a rua e desço até ao mar……….



(Foto "Véus", João Quintela, 1000 Imagens)


(Textos protegidos pelo IGAC)

5 comentários:

Só Eu disse...

Marta.
Deve ser uma felicidade atravessar a rua e descer até ao mar...
Claro que gostei (nem podia ser de outra maneira...)
Já agora repara que fiz um comentário sem me enganar no nome Marta!!!!!!!
Beijinhos

Pekenina disse...

Já tens resposta no meu blog...
=)

Pekenina disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Nilson Barcelli disse...

Gostei do teu poema.
As tuas palavras fizeram-me despertar um sossego que bem precisava depois de um dia de trabalho agitado...

Beijinhos.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Para variar, os seus flutuantes poemas saõ maravilhosos. Estou bem melhor, pesando 38 quilos. Fiz nova postagem, o filme é surpresa.
Apareça aqui:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
não há ponto depois de www
Um beijo,
Renata