terça-feira, 29 de julho de 2008

ESTRANHO







Continuo com as mãos quietas

Pousadas no colo…

Estranho….

Pois falo muito com as mãos….

O que sempre te divertiu….

Nada digo….apenas escuto….

O que te inquieta

.....e o que me deixa indiferente….

O que me importa....

.........e o que te aborrece....

Apenas o mar.....

Nos une verdadeiramente............

(Foto de Rosalina Afonso, Olhares.com)

(Textos protegidos pelo IGAC)

8 comentários:

Só Eu disse...

Marta (já reparaste a quantidade de vezes que não me enganei no teu nome???)!
Eu acho óptimo falar com as mãos. Eu próprio, quase sempre, falo com os dedos, com os olhos, com os versos...
Dificil tem sido ser entendido...
Gostei muito deste "estranho".
Beijinhos de muito boa noite

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Muito lindo e dá o que pensar, Marta!
Fiz novo post hj, acho que vc não viu o filme.
Apareça por aqui:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
não há ponto depois de www
Um beijo,
Renata

Nilson Barcelli disse...

Continua a falar com as mãos, pois acho que elas gostam e depois escrevem poemas tão bons como este...
Gostei, é um magnífico poema.

Beijinhos.

Alexandre disse...

Pois, falar com as mãos é sinónimo de sensibilidade, de cumplicidade, de naturalidade, de à-vontade... e tudo isso só se consegue quando os sentimentos são muito fortes...

Nuno disse...

Magnifico momento, nota-se que adoras mãos será q sabes ler uma mão? Tens umas belas mãos q sabem e bem como escrever tão bem. Bjs

Nuno de Sousa disse...

Bem esse Nuno sou mesmo eu :-) Bjs

Pekenina disse...

O mar tem forças que o Homem desconhece...

Beijo*

Xinha disse...

Marta,
Já foi tudo dito.
Realemente és uma pessoa de sensibilidade etrema ...


Xi-coração