quarta-feira, 19 de setembro de 2007

UM "GAJO PORREIRO"




















Onde estou?

Para onde vou?

Perguntas rotineiras, vulgares……………….
Toda a vida as fiz……

......Mas aqui ….
……………........O Sol nunca morre….

..........a paisagem é sempre igual……………

E……….

...............tenho a impressão que deslizo………………….
Num espelho…………………
.............pois só o meu rosto eu vejo……………………..................

Será que estou no Império do Sol Nascente?

Ou no limiar da minha realidade fantasiada,

em que o tempo não envelhece?

As minhas meninas continuam a ser as minhas pequeninas…

Ainda brinco com elas às escondidas…

Ainda deliro quando elas gritam:

“O MEU PAI É UM GAJO PORREIRO”…………….

E, não é que sou mesmo????



Para o meu Pai
(diagnóstico Alzheimer)



P.S.: Imagem tirada da Net

5 comentários:

Shelyak disse...

De há tempos a esta parte, comecei a preocupar-me mais com o momento... sendo a Vida composta por momentos... tenho-me dado bem...:)
Beijinho

Sol da meia noite disse...

Olha Marta, a vida é feita de muitas interrogações e poucas certezas.
Mas a certeza de que o Sol nunca morre, podemos ter. Existe em cada dia que acontece... mesmo que o não vejamos...

Beijinhos!

Alexandre disse...

Admiro a coragem e a força com que postaste sobre este assunto - ainda para mais no Dia do Doente com Alzheimer - acho que veio muito a propósito pois as pessoas pensam que só acontece aos outros!

Fizeste bem em mencionar o assunto, Marta!!! Muitos beijinhos e uma grande admiração. Toda a força do mundo para ti!!!

125_azul disse...

O que respeito que já sentia por ti curva-se silenciosa à passagem da tua coragem. Abraço apertadinho

Paula Raposo disse...

Um beijo solidário.