quarta-feira, 16 de novembro de 2005

AFRODITE - AMOR E BELEZA


Também eu, Afrodite, gostaria de ter nascido da espuma do mar e poder, em qualquer altura misturar-me com essa espuma e viajar para outras orlas marítimas.
Enlouquecer os marinheiros, com promessas, risos, fugas e depois reaparecer para tornar mais doce a rendição.
Isto é um mito; uma fantasia da Antiguidade Clássica e a ti atribuíram o papel da deusa da Beleza e do Amor.
Neste momento de instabilidade que atravesso, em que a minha vida vai ter que mudar, pelas decisões difíceis que vou ter que tomar, vou precisar de todo o amor que encontrar em mim e nos outros.
Compreender, como bem disse uma amiga minha, que não há falta de amor por parte dos meus Pais – é não saberem como amar que se torna o verdadeiro problema.
Como o “menino mau” que aparece quando a luz está acesa e desaparece ao primeiro sinal de calamidade.
Apelo, portanto a ti, Afrodite para que me guies nesta viagem pela espuma do mar, pelas ondas gigantes que ameaçam destruir o navio.
Não vou ter medo, pois tu, como deusa da Beleza e do Amor, vais encontrar maneira de, quando eu desembarcar alguém estar lá à minha espera, no porto, com ou sem flores, para me abraçar, se não louco de paixão, pelo menos com muito carinho.
Alguém que sabe que o verdadeiro amor está na confiança, no respeito e na estabilidade e na amizade que as palavras e o corpo transmitem!

1 comentário:

Carmem L Vilanova disse...

Amiga querida!
Este teu post dá margem a dupla interpretaçao e fiquei sem saber como interpretá-lo corretamente... que tipo de viagem pretendes fazer? que tipo de pensamentos estao a passar por tua cabeça e coraçao? Fiquei confusa!
Deixo-te um carinhoso "Nemaste" e que fiques bem, minha linda!
Beijos.. muitos!