terça-feira, 4 de outubro de 2005

A PROCURA DO LUZ

Ontem, eu a falar em “tropeçar no escuro” e alguém acendeu a luz para que eu pudesse atravessar o meu caminho com segurança.
Esse alguém escreveu na dedicatória do livro que publicou, que eu comprei e lhe enviei para esse efeito:
“Para os verdadeiros amigos, não há distâncias” e essa é a verdade, a realidade, o mundo que eu e esta minha amiga conhecemos.
A minha amiga tem uma vida muito ocupada; não lhe foi, portanto possível responder-me pessoalmente, mas pediu a alguém que o fizesse em seu nome.
Entendi isso como um gesto de amizade, de carinho, de gentileza e sobretudo, de boa educação, porque, e como o mail diz, ao pedir desculpa pelo atraso, “pior seria ficar sem resposta.”
A boa educação não ocupa lugar; devia ser inato, mas muita gente anda por aí, sem saber do que se trata e pensa que é “grande”.
“Grande” em quê? Gostaria de saber, porque muitas vezes confunde isso com sorte e a sorte nada tem a ver com o fundamental da questão – boa educação, valores!
Por isso, é sempre bom saber que há alguém que compreende, conhece e procura os caminhos da luz!

1 comentário:

Carmem L Vilanova disse...

Tenho sentido falta de ti...
Exupèry já disse uma vez que somos responsáveis por aqueles que cativamos... e tu já me cativastes há tempo... e vê que isti implica em grande responsabilidade (risos)...
Deixo-te um beijo saudoso!