domingo, 23 de outubro de 2005

O SORRISO

No seu editorial desta semana da Xis, a Laurinda Alves fala do sorriso, que ela considera ser “uma linguagem silenciosa que diz tanto ou mais do que as próprias palavras.”
Que ela está certa, não tenho qualquer dúvida! E sei também como uma “situação banal”, tal como ela descreve, se pode “transformar num momento especial”.Porque não é a primeira vez que chego chorosa e triste à confeitaria, onde tomo um pingo todas as manhãs, e saio reconfortada. Basta apenas o tom ligeiro e brincalhão do empregado e o sorriso generoso de uma das clientes para que eu sorria também.
Triste, com as lágrimas a brilhar ainda no canto do olho, mas um sorriso!
Só com os anos, com a experiência de vida é que identificamos as verdadeiras “nuances” do sorriso ou a falta dele e nós próprios aperfeiçoamos o nosso.
Até podemos ter um especial, aquele que guardamos só para os amigos especiais, para aqueles em quem confiamos plenamente – aquele sorriso que vai para além da alma e para o qual não há nem palavras nem máquina fotográfica que imortalize!
A Laurinda fala em 19 tipos de sorrisos; acrescenta o meio sorriso, que classifica de “misterioso e atraente”.
Mas esqueceu-se de falar do meu sorriso!
A única testemunha é o écran do computador, mas espero sinceramente que quem por aqui passe leia este meu texto com um sorriso nos lábios.
Pouco importa se é triste, tímido ou irónico; o que é preciso é que seja genuíno!

1 comentário:

Carmem L Vilanova disse...

Há um dito que diz que "o meu coraçao é meu, pode sofrer, o meu semblante é do próximo, portanto, deve sorrir"... nao exatamente baseada neste ditado, mas porque é de mim mesmo, trago sempre um sorriso no rosto, pois se nao alegra o meu dia, mais especificamente, tenho a certeza de que poderá alegrar o dia de alguém que necessite...
Está belo o texto sobre o sorriso, doce e querida amiga! Continua sorrindo... faz bem ao coraçao e à alma... :)
Beijos e muitos sorrisos para ti!