quinta-feira, 9 de dezembro de 2004

O VENTO


Que notícias me trazes tu, oh vento?
Há qualquer coisa que me escondes, porque não paras de brincar comigo! Abres-me o casaco, puxas-me a écharpe e insinuas-te como um amante ardente aos meus cabelos!
Oh, não, não deixes que sejam más notícias, vento! Deixa que feche os olhos e te siga!
Não importa para onde; apenas quero sentir o que tu sentes, o que fazes quando os todos poderosos te desafiam e como proteges quem de ti não tem medo!
Não, vento, não tenho medo de ti! Respeito-te, observo de longe as tuas fúrias, mas fico quieta, à espera que sossegues.
Porque tu escutas-me, vento e levas as minhas palavras aos ouvidos de quem te sabe igualmente escutar!!

1 comentário:

Carmem L Vilanova disse...

Querida Marta!
Muito bonito este teu texto... Eu nunca tinha parado para pensar sobro vento sob este ponto de vista, que se insinua como um amante, como dizes... Lindo, realmente lindo!
Muito obrigada pela tua mensagem! E nao te preocupes, escreve-me em Português, afinal de contas, embora viva nos Estados Unidos, sou brasileira e valorizo muito nosso lindo idioma!
Muitos beijos e um lindo dia para ti!
Carmem Lúcia Vilanova