sábado, 18 de dezembro de 2004

O AZUL DAS MONTANHAS

Li algures “nas montanhas azuis” e fiquei pensativa, curiosa!
Reli novamente, convencida que tinha feito confusão, mas não – estava ali, preto no branco “nas montanhas azuis da Jamaica”.
Talvez tenham razão e as montanhas fiquem azuis naquela hora mágica, em que o sol comunga com a linha do horizonte e a noite começa a descer e a preencher os espaços, onde o sol brilhava.
Talvez fiquem azuis para encher de prazer e de admiração os olhos de quem se senta, a observar este espectáculo inesperado.
Encontrei outra cor, para juntar ao castanho que escolhi como “bandeira”.
Nunca esperei que resultasse tão bem, mas a vida reserva-nos sempre uma surpresa.
Esta foi a minha e se ontem precisei, e deram-me, “colo”, hoje até acho que as lágrimas são azuis!

2 comentários:

lique disse...

Marta, peço desculpa por uma ausência tão prolongada. Trabalho e preparação de Natal é uma combinação terrível. Adorei as tuas montanhas azuis e espero que as tuas lágrimas, ainda que de bela cor azul, parem de correr!

Desejo-te um Feliz Natal e um óptimo 2005!
Beijinhos

margarida disse...

Olá. Cada um de nós pode e deve pintar a vida de várias cores, eu tb pinto a minha de azul. As minhas lagrimas são cinzentas mas tou a tentar q mudem de cor. Adorei o texto. E espero q as tuas lagrimas mesmo q pintadas de azul deixem de existir. beijinhos grandes