quarta-feira, 30 de novembro de 2011

PERDA

Às vezes,
tenho medo de te perder
e deixo a luz acesa...
Para que me encontres
onde me deixaste...
Aqui, nas sombras do jardim,
escondida nos meus segredos,
aconchegada nas tuas palavras.
Para esquecer a dor,
a saudade que tenho do meu Pai.
Mas hoje, nada atenua essa dor
e já nem sei se a luz ajuda...
Não sei mais o que dizer;
não te encontro nas tuas palavras.
Apenas vejo monstros, fantasmas,
que não caminham pela luz,
que tenho medo de perder.
Porque me posso perder de ti....

O autor desta foto é desconhecido

5 comentários:

LOURO disse...

Olá Marta!

Linda postagem !!! com um poema sublime ...Parabéns!

Beijnhos de carinho e amizade,
Lourenço

Paixão Lima disse...

Gosto de ler o que sente. Por vezes, a intensidade do que sente perturba-nos...
O medo sem fundamento é um impulso da alma, que se sacode...
Perder o Pai ! A sua perda é a nossa perda. Perdemos tanto pelo caminho que nos é dado percorrer...
Como sufocar o sentimento de perda ? E como matar no peito a dor silenciosa ?
Mantendo a luz acesa para assinalar a nossa presença e para destruir os monstros e os fantasmas que criamos...
E para cativar as mariposas....
A fotografia é reveladora...
Afinal, o Poeta enganou-se...
Continuamos a ter asas e podemos voar ao Céu...

Sofá Amarelo disse...

É importante deixar sempre um sinal que pode ser a luz acesa para que as sombras não se mostrem nas palavras e se escondam nos segredos. Temos sempre medo de perder o que não conseguimos esquecer...

Álvaro Lins disse...

Não se deve esquecer! Devemos é aprender a viver com a perda. Sei que é difícil:)
Bjo

Nilson Barcelli disse...

Belas e sentidas palavras.
Enquanto ele perdurar na tua lembrança, não o perdes. Mantém a luz acesa da tua memória.
Querida amiga Marta, tem um bom fim de semana.
Beijos.