quarta-feira, 16 de novembro de 2011

CHEIA DE PAIXÃO

Quando a chuva se calar,
desafiarei o Vento.
Serei tão louca como ele;
entregar-me-ei à tua pele.
Definirei limites, que não cumprirei.
E quero que me lembres;
escutes a minha voz esta noite.
Quero que saibas como te amo,
como nunca pensei amar-te assim...
Tão louca,
tão cheia de paixão...


Foto de Pascal Renoux

6 comentários:

Sofá Amarelo disse...

A chuva calou-se por momentos e até o vento virou brisa na pele e o silêncio virou voz na noite louca da paixão... onde os limites são ilimitados!

Paixão Lima disse...

Não caminhar ao ritmo dos tambores...
Não nos limitarmos aos limites...
Desobedecer para não obedecer...
Pecar para ir para o Céu...
Como dizia Pessoa (o Fernando) :
«Ai que prazer
Não cumprir um dever...»
Também não gosto de atravessar a rua na passadeira...
Viver apaixonado é viver com vontade.
Gostei do copo cheio de paixão,
Bebida de alto teor alcoólico, mas que nos faz sentir vivos.

Daniel Costa disse...

Marta

Amar pode configuar loucura!

Beijos

Álvaro Lins disse...

O amor é loucura:)!
Belo como sempre.
Bjo

Nilson Barcelli disse...

Excelente poema de amor, gostei imenso.
Querida amiga, tem uma boa semana.
Beijos.

Secreta disse...

Loucura espontanea e saudável!
:)
Beijito.