quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

SIMPLES COMO O PÔR-DO-SOL

Não há limites,
para o que se procura no Mundo.

No entanto, é tão simples
como ver o pôr-do-sol.

Pensar,
no que há de novo,
no que nos pode oferecer,
no que nós lhe podemos dar.

Mas, sobretudo reflectir,
se estamos verdadeiramente abertos.
Às vozes que se escutam do outro lado do Mundo.




Foto de Heylormammy "Rhymes and reasons" (DeviantArt)

7 comentários:

R.B.Côvo disse...

Simples como o pôr do sol... Abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema de esperança.

concordo.

beij

JPD disse...

Abertura e generosidade.
Tão natural como a Luz.
Bjs, Marta

Sofá Amarelo disse...

O mundo não tem fronteiras, não tem barreiras e não tem o outro lado, porque o mundo é uno consigo próprio. É tudo tão simples como o nascer do Sol, como o por do Sol... restam os reflexos para podermos reflectir sobre o mundo!

Secreta disse...

Por vezes é mesmo isso... apenas uma questão de estarmos receptivos ou não!

Daniel Costa disse...

Marta

Depois de saborear um bom poema, o mundo hoje não terá limites.
Beijos

Chellot disse...

"As vozes que se escutam do outro lado do mundo"

Linda poesia. Estou sempre aberta a ouvir as vozes, seja de quem mundo for.

Beijos doces.