domingo, 6 de fevereiro de 2011

LISTA DE DESEJOS

Sei que,
o mais óbvio,
o mais fácil,
seria escrever um poema de amor.

Daqueles, sabes?
a que chamamos "lamechas",
cheio de clichés e frases centenárias.

Não,
eu queria um poema diferente.

Aconchegar-me ao teu corpo, sim,
mas viver-te tal como és.

Continuar a ser dona do meu tempo,
mesmo quando me acrescento ao teu...

Fazer parte da tua alma,
deixar que entres na minha,
sem que ma partas.

Não sei
se é um poema
ou uma lista de desejos.

No entanto,
sei que é diferente,
porque não me lamento...

Quero-te...


Foto de Paulo Pontinha "O Cheiro das Coisas" (1000 Imagens)

7 comentários:

R.B.Côvo disse...

Bem melhor que um poema de amor. Um abraço aí para o Porto. Eu sou aí de Braga, agora é que vivo longe.

Daniel Costa disse...

Marta

O teo poema bate na "mouche", parto do prncípio que lameciche não será comigo. Pensar e escrever poemas de amor será bastante fácil, mesmo com um vocabulário pobre. Basta usar sempre certa palavra melosas, sempe as mesmas num jogo de trocas e está sempre feito o poema.
Os teus poemas não são isso, há senpre neles um cunho de profundidade.
beijos

Secreta disse...

Sem lamentos, apenas com desejos, concretizáveis. Belo poema esse.
Beijito.

Sofá Amarelo disse...

"Continuar a ser dona do meu tempo,
mesmo quando me acrescento ao teu..."

Eis a questão do amor com liberdade, é fundamental ter o nosso mundo, mantê-lo e acescentar outro mundo ao nosso mundo, nunca substitui-lo, só assim as coisas correrão bem e poderão crescer no tempo... e os poemas no fundo são sempre listas de desejos e o ideal é que sejam listas aprovadas e artilhadas por duas pessoas !

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema de amor (diferente)

beij

JPD disse...

Mas é isso que é natural:
uma paixão arrebatadora e equilíbrio na partilha de interesses individuais.
Bjs

Secreta disse...

Beijito.