quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

SEM LIMITES

Estou deitada,
encostada a ti,
ao silêncio tranquilo da tua pele.

Amei-te como uma louca;
fui ousada,
atrevida...

Desafiei-te,
provoquei-te sem limites...
Excedi-me....

Vejo-te agora a dormir..
Devia invejar-te,
porque eu continuo acordada...

Sem que os demónios,
os fantasmas do dia
me dêem tréguas....



Foto de Graça Loureiro "Not for me" (Olhares)

7 comentários:

R.B.Côvo disse...

Gostei do ritmo do poema, das imagens que quase visualizamos. Um abraço. Se puder passe no meu cantinho, tem post novo. Inté!

Secreta disse...

É que os fantasmas por vezes, não nos largam mesmo! Seja qual for o nosso estado de espirito...

AC disse...

Marta,
Os fantasmas, quando existem, de vez em quando condescendem em nos dar uma trégua...

Beijo :)

Sofá Amarelo disse...

Há sempre fantasmas em tudo o que fazemos, mas o importante é ignorá-los e passear tranquilo no silêncio da partilha e ser ousado, pois só assim vale a pena usufruir dos limites... que não se devem ter!

Daniel Costa disse...

Marta

No decanso o guerreiro encontra a traquilidade, guerreira vela mais pela preza que deixou exauta.
Beijos

Machado de Carlos disse...

Como é bom passar por um momento muito feliz e depois ter a oportunidade de contemplar o Ser Amado! Dá-nos a sensação de uma felicidade ímpar!
Parabéns!
Beijos!...

Secreta disse...

Olá :)
Desejo-te um bom fim de semana.
Beijito.