sábado, 8 de novembro de 2008

PRESA





Acordo assustada…

Sempre que não estás….



A tua silhueta não se
reflecte na lua…


Acordo com pesadelos


Sonho que estou presa no nevoeiro cerrado…

Ouço o mar e não o vejo….

E o vento diz-me que hoje não vens……



As palavras continuam a brincar comigo…

Ouve como gritam felizes….

Mas eu só sinto os olhos pesados...

....pisados…





(Foto "S/T" Hernâni Faustino, Olhares.Com)
(Textos protegidos pelo IGAC)

5 comentários:

Sol da meia noite disse...

O medo a pairar por sobre os sonhos.
Medo que aprisiona.
Que agiganta a solidão.

Tão bem entendo esse medo...


Um beijinho *
:-)

A. Jorge disse...

Mais um maravilhoso poema vindo de alguém que já nos habituou muito mal!

Um beijo

Jorge

Alexandre disse...

Acordamos sempre assustados quando ouvimos o mar e não o vemos, quando a silhueta não se reflecte com o luar, quando o vento não traz as notícias que queremos...

Pierrot disse...

Bonito poema
Como que um respirAR
Bjos daqui
Eugénio

Betty Branco Martins disse...

.querida Marta





maravilhoso o teu poema





"__________quando se está preso____o pior é não poder fechar-se a porta____"

[Stendhal]





beijO___C____CarinhO
bSemana